SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA
São José de Anchieta

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Prêmio Nobel, vedado aos católicos?

Os nomes dos laureados pelo prêmio Nobel são anunciados anualmente em outubro pelos diferentes comitês e instituições que realizam a escolha. O propósito original era permitir que as pessoas laureadas continuassem a trabalhar ou pesquisar sem pressões financeiras. Pode ser ganho individualmente ou repartido em até três pessoas no máximo. E as principais matérias sempre foram Física, Química, Medicina, Literatura e Paz. Não há prêmio para matemáticos nem para economistas. Este último foi criado depois (em 1968), mas não se diz que é prêmio Nobel. No entanto, a premiação tornou-se aos poucos um incentivo a cientistas revolucionários e políticos inescrupulosos (estes últimos laureados pelo prêmios de Literatura e da Paz). Os dois prêmios que mais causam polêmica são o de Literatura e o da Paz, concedidos na maioria das vezes a pessoas cuja militância política propagam idéias revolucionárias no mundo, como os escritores Elfried Jelinek e Haroldo Pinter, críticos ferozes de George W. Bush. No passado, também foram premiados pelo prêmio da Paz políticos cujas idéias eram base de uma revolução social, como por exemplo Martin Luther King e o pastor anglicano da África do Sul Desmond Tutu.
Prêmio Nobel de Física de 2008 é vedado a cientista católico
Tem despertado grande sensação a atribuição do Nobel de Física aos japoneses Makoto Kobayashi e Toshihide Maskawa. Cientistas Italianos estão revoltados, porque o prêmio foi atribuído ao descobrimento indicado genericamente, na ciência e na universidade, como a matriz Cabibbo-Kobayachi-Maskawa (CKM ou matriz, as iniciais dos três pesquisadores).
O verdadeiro pai da descoberta, que nem sequer foi mencionado, é o prof. Nicola Cabibbo, ex-professor de física das partículas elementares da Universidade de Roma e presidente do Instituto Nacional de Física Nuclear de 1983 a 1992 e do Enea, e, a partir de 1993, Presidente da Pontifícia Academia das Ciências.
Sobre o caso, Roberto Petronzi, presidente do Instituto Nacional de Física Nuclear (INFN), declarou "estar satisfeito com o fato de o Prémio Nobel ter sido atribuído a esta área da física, que passa a ter mais e mais atenção de todo o mundo e nós esperamos descobertas fundamentais que irão aumentar a nossa compreensão sobre o Universo".
"Contudo - ele frisou - não posso esconder o fato de que essa particular atribuição me enche de amargura, porque Kobayashi e Maskawa têm como único mérito a generalização, no entanto simples, de uma idéia central cuja paternidade pode ser atribuída ao físico italiano Nicola Cabibbo que, de forma independente e inovadora, compreendeu o mecanismo do fenômeno da mistura de quarks e, em seguida, facilmente generalizada pelos dois físicos recompensados."
Criticou também o presidente do Conselho Nacional de Pesquisa (CNR), o físico Luciano MAIANI, que recordou que "o trabalho de Cabibbo representou uma reviravolta histórica para a Europa, e comentou que "não há comparação com os trabalhos de Kobayashi e Maskawa: a sua contribuição foi, sem dúvida, importante, mas a estrada tinha sido aberta pelo trabalho do Cabibbo".
Para Enzo Boschi, físico e presidente do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV), "o prêmio Nobel de Física foi concedido apenas a Nicola Cabibbo, que em 1963 abriu a maior tendência da física moderna".
Segundo o presidente do INGV, a exclusão de Cabibbo pelo Nobel é "provavelmente a maior injustiça que a Academia Sueca de Ciências jamais fez em toda a sua história".
Fabio Malaspina, um professor de física e master de Ciências Ambientais da Universidade Europeia de Roma, se perguntou se a exclusão de Cabibbo não é devido ele ser católico.
"Esperamos que, no futuro, o Comitê dê a conhecer as razões da escolha surpreendente - explicou Malaspina - caso contrário terão confirmado o que vêem, após a cerimônia de atribuição da Madre Teresa de Calcutá, os católicos fora a priori a partir da concorrência".
Quando perguntado por que os católicos são discriminados, Malaspina respondeu: "A premiação de Cabibbo provavelmente teria novamente destacado que muitos crentes foram grandes cientistas e que a ciência e fé não são opostos, como alguns matemáticos que possuem grandes espaços em mass-media, tentam fazer-nos acreditar. " "Talvez, infelizmente - observou - têm a mesma atitude mental, a mesma dimensão cultural, para lhe arrancar a premiação a partir do episódio do Papa em "La Sapienza ", e por isso colocam um cientista da física tipo Cabibbo longe do prêmio Nobel".

Nenhum comentário: