quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Onde está a intolerância?


A fim de tentar tumultuar a viagem do Papa à Espanha e a Jornada Mundial da Juventude, os anticlericais, comunistas, socialistas, homossexuais e assemelhados, promoveram uma série de atividades, pelas quais se vê até que ponto chega a intolerância que tais indivíduos têm pela Religião. Apesar de estar caracterizado um caso não só de mera intolerância, mas de verdadeira perseguição religiosa, os líderes políticos, tão ciosos das liberdades democráticas, nada fizeram para coibir tais atos.
Vejam relato feito por uma jovem escocesa e divulgado pelo blog Fr.Z'S Blog, peregrina que esteve presente à JMJ e foi vítima dos tumultos causados por aqueles agitadores anticlericais e anticatólicos:

Carta de uma leitora cuja filha estava no meio da agitação causada pelos manifestantes. Ela descreve o que aconteceu conforme relato de sua filha.

Passeamos tranqüilamente por Madri o dia todo.
Os meninos estavam usando seus "kilts", assim fomos parados diversas vezes para fotos.
Um cara parou e disse-nos que havia um protesto anti-católico em Sol, por isso fomos dar uma olhada.
Havia uma enorme multidão, então Seamus e Louise não quiseram vir olhar com a gente e sentaram-se num canto.
Chegamos e as pessoas gritavam insultos imundos, xingavam o Papa, era horrível.
Então nós nos ajoelhamos para rezar um rosário por eles no meio da multidão e fomos cercados por manifestantes, gritando e ameaçando, cuspindo e nos filmando, zombando de nós e tentando queimar as nossas bandeiras.
Um casal gay veio à nossa frente e "fizeram coisas" despudoradamente.
De qualquer forma, Dominic nos fez levantar porque sentia-se ameaçado, por isso terminamos nosso Rosário de pé, mas na última dezena, começou uma briga ao nosso lado, entre os católicos que estavam de pé atrás de nós e os manifestantes, então alguns dos outros católicos nos levaram para fora da multidão.
Voltamos e deixamos as mochilas com Louise e desta vez Mim ficou para trás, assim voltamos apenas eu, Dominic, Greg e Billy para rezar um segundo Rosário ao lado da multidão e tivemos mais do mesmo: as pessoas avançando em nossos rostos, gritando.
Encontramos com mais um grupo do "Juventutem" mas alguns deles nos deixaram depois que terminamos o nosso segundo Rosário, antes que tivessem um colapso emocional.
Todos saíram, menos o grupo que acabei de mencionar acima e cantamos BENEDICTO, BENEDICTO e VIVA PAPA, agitamos nossa bandeira Papal e continuamos assim diante da barreira policial.
Muita gente ainda gritava contra nós.
Então, a barreira da polícia rompeu-se e eles nos atacaram, tivemos que correr, era mais urgente salvarmos nossas vidas do que rezar o Rosário.
Então a tropa de choque chegou e bateu para dispersar os manifestantes.
Alguém perdeu um peregrino de seu grupo no meio da multidão e apareceu um monte de médicos ... havia gente perdida e ferida.
Os policiais não nos deixaram apanhar o metrô lá, assim saímos e fomos para um bar.
Isso é basicamente o que aconteceu

terça-feira, 23 de agosto de 2011

O hábito faz o monge?

Quem são estes que conversam tão animadamente? Como hoje em dia os trajes foram também “globalizados”, não dá realmente para se dizer se estes personagens são políticos, fazendeiros, empresários, traficantes, motoristas de ônibus, etc., pois não é pela roupa ou pela sua maneira de se comportar na foto que vão ser identificados.
Mas, vamos supor que se diga o conteúdo de sua conversa: estão falando sobre “problemas sociais”, financeiros, políticos, especialmente sobre petróleo e o desmatamento de nossas florestas. Dito isso, fica mais difícil ainda saber quem são tais personagens. Pois estes assuntos estão na boca de qualquer cidadão. No entanto, a conversa de ambos poderia girar em torno de “revolução social” e socialismo; falam muito em liberdade e são contra qualquer tipo de poder, julgam que a sociedade por si mesma poderá ser dirigida, sem necessidade dos governantes. Um deles tem grande simpatia por Gandhi, tido como seu guia “espiritual” e modelo. Tem até decorado várias lições tiradas daquele antigo “líder” indiano.
E aí, chegamos perto de adivinhar quem são? Muitos pensarão: ah, já sei: são líderes sindicais e estão programando uma próxima greve. E devem atuar em alguma país do oriente, pois têm Gandhi como modelo; cristãos é que não devem ser... Será que não são árabes?
Na realidade, trata-se de um bispo e um sacerdote católicos. O bispo é Monsenhor Gonzalo López Marañon, OCD, resignatário de São Miguel de Sucumbios, e o outro é um carmelita, Pe. Jesus Arroyo, OCD; ambos fazem parte do grupo de carmelitas que o Papa pediu para se retirarem daquela localidade por promoverem rebeldia contra a Santa Sé e demais autoridades eclesiásticas autorizadas pelo Vaticano. A forma como se vestem apenas reflete os princípios professados por sua ideologia: a famosa e fracassada “Teologia da Libertação”, cuja experiência de 40 anos em São Miguel de Sucumbios, demonstra cabalmente o quanto a TL fez mal àquelas populações, deixando-as ao desamparo de assistência religiosa e entregues a inescrupulosos políticos e agitadores.
É claro que o hábito não faz o monge. Sim, mas pode indicar que tipo de monge corresponde àquele hábito que se usa. E o mau monge não usa um bom hábito, prescinde da abençoada vestimenta sacerdotal (a sotaina) porque esta corresponde aos sagrados princípios religiosos que ele já abandonou e até abomina.
A informação que nos chega é que o irrequieto ex-prelado já está na Espanha, exatamente em Burgos, de onde nunca deveria ter saído, em vez de ter procurado uma ilha, como sugestivamente postamos anteriormente: Procura-se uma ilha.


domingo, 21 de agosto de 2011

Bento XVI se despede da JMJ de Madri anunciando que a próxima será no Brasil

Apesar de um vendaval e de um calor próximo dos 40 graus, o Papa celebrou em Madri a missa de despedida da Jornada Mundial da Juvetude em um aeródodro chamado Cuatro Vientos. Na ocasião, Bento XVI deu suas mensagens de despedidas:
“É impossível encontrar Cristo, e não O dar a conhecer aos outros. Por isso, não guardeis Cristo para vós mesmos. Comunicai aos outros a alegria da vossa fé. O mundo necessita do testemunho da vossa fé; necessita, sem dúvida, de Deus.” Com estas palavras, o Santo Padre convidou participantes na missa final da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que façam os seus pares participar da fé que professam.
As palavras do Santo Padre estiveram carregadas de referências a Jesus Cristo, à Igreja e aos sacramentos. Assinalou que “A fé não se limita a proporcionar alguma informação sobre a identidade de Cristo, mas supõe uma relação pessoal com Ele, a adesão de toda a pessoa, com a sua inteligência, vontade e sentimentos, à manifestação que Deus faz de Si mesmo.”
Por sua vez, motivou os jovens a seguir a Deus: “respondei-Lhe com generosidade e coragem, como corresponde a um coração jovem como o vosso. Dizei-Lhe: Jesus, eu sei que Tu és o Filho de Deus que deste a tua vida por mim. Quero seguir-Te fielmente e deixar-me guiar pela tua palavra.”
Além de animar a caminhar com Cristo, recordou a necessidade de segui-lo dentro da Igreja frequentando os sacramentos: “Para o crescimento da vossa amizade com Cristo é fundamental reconhecer a importância da vossa feliz inserção nas paróquias, comunidades e movimentos, bem como a participação na Eucaristia de cada domingo, a recepção frequente do sacramento do perdão e o cultivo da oração e a meditação da Palavra de Deus.”
Esta Eucaristia começou às dez da manhã, depois do Papa percorrer todo o aeródromo para saudar os jovens que – na sua maioria – pernoitaram em Cuatro Vientos.

Rio de Janeiro em 2013!

Ao finalizar a Santa Missa, anunciou a sede da próxima Jornada Mundial da Juventude, que será no Rio de Janeiro (Brasil), entre os gritos de alegria dos brasileiros lá presentes. Esta jornada terá lugar dentro de dois anos, em 2013.

Depois desta celebração, o Santo Padre terá um encontro com os voluntários da Jornada Mundial da Juventude no IFEMA, pelas 17:30 horas.




sábado, 20 de agosto de 2011

Anuncia-se aglomeração de 3 milhões de católicos em Madri

A quantidade de visitantes é calculada em 1,8 milhão, mas junto com os próprios católicos que residem em Madri e em outras cidades espanholas, espera-se que a quantidade da aglomeração chegue a 3 milhões na Jornada Mundial da juventude. Veja, por exemplo, os vídeos em que mostram a chegada dos peregrinos ao local chamado "Cuatro Vientos", onde houve encontre com o Papa hoje às 13 horas. Incrível a quantidade de pessoas e o entusiasmo que toma conta de todos, apesar do tremendo calor que fazia na hora.







Há apenas 3 meses atrás, na Plaza del Sol, em Madri, os católicos já se manifestavam em massa contra o aborto: El grito silencioso, que ainda hoje ecoa no mundo.


Título de Doutor a São João d’Ávila

Durante a Missa para os seminaristas, na manhã deste sábado, 20, na Jornada Mundial da Juventude (JMJ), em Madri, na Espanha, o Papa Bento XVI anunciou que vai declarar São João d'Ávila como novo Doutor da Igreja.

“Com grande alegria, no marco da santa igreja Catedral de Santa Maria a Real da Almudena, quero anunciar agora ao povo de Deus que, acolhendo os pedidos do Senhor Presidente da Conferência Episcopal Espanhola, o Eminentíssimo Cardeal Antônio Maria Rouco Varela, Arcebispo de Madri, dos outros Irmãos no Episcopado da Espanha, bem como de um grande número de Arcebispos e Bispos de outras partes do mundo, e de muitos fiéis, declararei, proximamente, São João d'Ávila, presbítero, Doutor da Igreja”, disse o Papa.

Ao divulgar esta notícia, o Pontífice expressou seu desejo de colocar as palavras e a vida desde santo como exemplo para os seminaristas ali presentes.

“Convido todos a dirigirem o olhar para ele, e confio à sua intercessão os Bispos da Espanha e de todo o mundo, bem como os presbíteros e seminaristas para que, perseverando na mesma fé que ele ensinou, possam modelar seu coração conforme os sentimentos de Jesus Cristo, o Bom Pastor, a quem seja dada toda glória e honra por todos os séculos dos séculos”, destacou Bento XVI.

São João de Ávila

João de Ávila, nasceu em Almodóvar del Campo, em Castilla Nueva. Estudou filosofia e teologia na Universidade de Alcalá.

É considerado como um dos mais influentes Santos da Espanha do século XVI. Foi amigo de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, e conselheiro espiritual da Santa Teresa d'Ávila.

Ordenado sacerdote mostrou tal eloquência, que o Arcebispo de Sevilha pediu que se dedicasse à evangelização em seu país. Trabalhou durante 9 anos nas missões de Andaluzia.

Os mais famosos de seu escritos são suas cartas e o tratado “Audi Filia”, considerado um verdadeiro compêndio de ascética, que o rei Felipe II tinha em tanta estima que pediu que não faltasse nunca em El Escorial. Sua enorme influência como pregador provocou inveja e alguns clérigos o denunciaram perante a Inquisição sevilhana em 1531. Desde esse ano até 1533, João de Ávila esteve encarcerado e foi processado pela Inquisição.
Foi beatificado em 1894 e canonizado pelo Papa Paulo VI em 31 de maio de 1970. Sua festa se celebra no dia 10 de maio.

O Apóstolo de Andaluzia, como costumava ser chamado, estava convicto da necessidade de uma reforma na Igreja, e para levá-la adiante começa pela reforma do clero, pelo que seus escritos tiveram grande influência no Concílio de Trento. São João d'Ávila e Santo Inácio de Loiola mantiveram um importante intercâmbio de cartas. Igualmente manteve contatos com Santa Teresa de Ávila e fundou seminários e universidades.

Doutores da Igreja

Dentro da Igreja os Doutores foram surgindo ao longo dos anos e naturalmente se destacando por suas obras e doutrinas. O primeiro deles foi Santo Hilário, do século IV, contemporâneo de uma grande safra de doutores, como Santo Atanásio, Santo Efrém, São Basílio, São Cirilo de Jerusalém, São Gregório Nazianzeno e os excepcionais vultos da Cristandade, como Santo Ambrósio, São João Crisóstomo, São Jerônimo e Santo Agostinho. Ao longo dos séculos, vários outros doutores foram se destacando, culminando com o mais culto, São Tomás de Aquino no final da Idade Média, e um dos últimos deles que foi Santo Afonso de Ligório, no século XVIII. Chegamos, pois, ao século XXI, com um total de 30 homens e 3 mulheres (Santa Teresa d'Ávila, Santa Catarina de Siena e Santa Teresinha do MeninoJesus), todos santos, com a Igreja reconhecendo-lhes o título de Doutor da Igreja.
Muitos destes Doutores eram também o que se denominou de "Padres". Padres da Igreja somente eram assim considerados os que reuniam quatro condições necessárias: ortodoxia de doutrina, santidade de vida, aprovação eclesiástica e antiguidade. Todos os demais escritores são conhecidos com o nome de "ecclesiae scriptores" ou "scriptores ecclesiastici", escritores da igreja ou escritores eclesiásticos. O título de Doutores da Igreja, como é óbvio, é diferente do de Padres: a alguns dos doutores da Igreja lhes falta a nota de antiguidade, porém, em troca, têm, além das três notas características de "doctrina orthodoxa, sanctitas vitae et approbatio ecclesiae", os dois requisitos de "eminens eruditio et expressa Ecclesiae declaratio". É assim que Santo Ambrósio, São Jerônimo, Santo Agostinho e São Gregório Magno são considerados como "egregii doctores ecclesiae", egrégios doutores da Igreja. Estes quatro Padres são também considerados como "os quatro grande Padres da Igreja". A Igreja grega venera somente a três "grandes mestres ecumênicos": Basílio o Grande, Gregório de Nazianzeno e Crisóstomo, enquanto que a Igreja romana acrescenta a estes três Santo Atanásio, contando desta maneira quatro grande Padres do Oriente e quatro do Ocidente.
A Igreja reserva o título de Doutor àquele que defende e ensina uma doutrina, seja através da oratória ou de publicações, de conteúdo moral ou religioso, onde se explicitam questões transcendentais para a Religião e a Cristandade. Foram chamados especialmente de doutores aqueles sábios do tempo da Escolástica, como São Tomás de Aquino e São Boaventura, que se revelaram verdadeiros mestres em suas obras. O título de Doutor é dado pela Igreja pela tradição ou de forma oficial aos teólogos notáveis, como o dado a São Roberto Belarmino por Pio XII em 1931. Tais títulos nunca foram concedidos em vida, assim como também Ela o faz ao realizar a canonização.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

A República tem uma mística religiosa?

Mística religiosa? Sim, que expressão difícil de entender, não é? Mas é a pura verdade. A república tem uma mística religiosa e vem de longe...
A idéia dessa mística religiosa começou a ser concretizada, pelo menos em parte, pelos revolucionários de 1789, especialmente por Robespierre e Chaumette: no dia 10 de novembro de 1793, a deusa razão foi proclamada pela Convenção Francesa (órgão máximo da Revolução e que implantou a república na França). Como havia necessidade dessa deusa ser personificada (alguém tinha que mostrar-se como tal), procuraram a mulher de um tipógrafo, Sophie Momoro (para alguns, esposa, para outros uma simples prostituta) para assumir o papel e se postar no altar para ser adorada. Colocaram-na, pois, no altar-mor da catedral de Notre Dame e fizeram ali mesmo uma “cerimônia” religiosa de adoração da nova deusa. Assim foi fundada uma nova "religião"...
Pretendiam os revolucionários, com a simples divulgação da imagem daquela mulher, espalhar a nova religião e fazê-la substituir ao cristianismo em toda a terra. Hoje, nada resta daquele “culto” a não ser uma certa mística oculta, praticada por uma minoria insignificante, e em poucos países.
A existência dessa mística religiosa é comprovada pela teimosia das autoridades republicanas em estampar a figura daquela mulher nas nossas cédulas. Outra não seria a razão, pois aquela figura nunca foi aceita como um dos símbolos de nossa república.
Antigamente, nossas cédulas homenageavam figuras históricas de nosso país, como Dom Pedro I, Princesa Isabel, Duque de Caxias, etc. Depois, foram feitas homenagens a figuras também republicanas, como Getúlio Vargas e Juscelino. Hoje, porém, a única figura homenageada é a da deusa razão, é a figura da suposta prostituta Sophie Momoro e mais ninguém.
Qual a razão dessa figura aparecer em aparente homenagem em nosso dinheiro, sem que o povo sequer saiba o que ela significa? Só há uma razão: a mística religiosa numa minoria de fanáticos republicanos que pensam, talvez, em fazer revigorar o culto da deusa razão. Sem nenhum pleonasmo, não há outra razão.
Esperava que nos novos modelos de cédulas que passaram a circular fosse tirada a ridícula figura daquela mulher, que nada representa ali para o nosso povo. Ledo engano: ela continua lá.

Bento XVI: “A Universidade tem sempre sido a casa onde se busca a verdade própria da pessoa humana”

O Papa hoje encontrou-se com um grupo de 1000 professores católicos, Catedráticos, Professores Titulares e Adjuntos de faculdades ou escolas universitárias, com dedicação exclusiva e em posse do título de Doutor. A agência EFE noticiou o evento:

Sua Santiade manteve um encontro com 1000 professores, na Basílica de SanLorenzo de El Escorial, onde sublinhou que “não é uma casualidade que tenha sido a Igreja quem promoveu a instituição universitária”
Como professor entre os demais, o Papa pediu aos professores que transmitiam o ideal universitário aos seus alunos …

“Os jovens necessitam autênticos mestres, pessoas abertas à verdade total nas diferentes áreas do saber” declarou o Sumo Pontífice

O cardeal Rouco Varela, assegurou que o Papa é a luz que os guiará no desenrolar cristão da sua tarefa intelectual e educativa.

Madrid, 19 agosto de 2011 – A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Madrid 11 saiu da cidade por umas horas que a acolhe, para se transladar um pouco mais para norte, para o Real Sitio de El Escorial, um lugar que não é desconhecido para o Papa, que já o visitou, em 1989, como perfeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Num ambiente festivo e colorido, com togas e capelos de diferentes disciplinas, teve lugar o encontro do Papa com mais de 1000 professores e investigadores de todo o mundo. Este encontro tem a marca do constante empenho do Santo Padre para contribuir para a reflexão entre a ciência e a fé (com precedentes em Ratisbona, na Alemanha, do encontro dos Bernardinos em Paris ou em Westmister Hall). No evento estive presente o ministro da Educação, Ángel Gabiondo que cumprimentou o Papa à entrada da Basílica.

Durante este encontro com jovens docentes, Bento XVI defendeu o papel que tem a instituição universitária hoje em dia. “A universidade foi, e está chamada a ser sempre, a casa onde se busca a verdade própria da pessoa humana”. Nesse sentido, o pontífice deixou claro que “não é casualidade que fosse a igreja quem promoveu a instituição universitária, pois a fé cristã fala-nos de Cristo como o Logos por quem tudo foi feito (cf. Jo 1, 3)”.

Além disso, o Papa assegurou que “a universidade encarna um ideal que não se deve desvirtuar nem por ideologias fechadas ao diálogo racional, nem por servilismos a um lógica utilitarista de simples mercado, que olha para o homem como mero consumidor”.

Por outro lado, o Papa convidou aos docentes a que transmitam esse ideal universitário de propor e acreditar na fé perante a inteligência dos homens, enquanto os advertiu que não basta ensiná-lo mas também vivê-lo. “Os jovens precisam de mestres autênticos: pessoas abertas à verdade total nos diversos ramos do saber, capazes de escutar e viver, dentro de si mesmos, este diálogo interdisciplinar”. Seguidamente, usou Platão como exemplo: “«Busca a verdade enquanto és jovem, porque, se o não fizeres, depois escapar-te-á das mãos» (Parménides, 135d)”.

O Santo Padre quis animá-los “a não perder jamais tal sensibilidade e encanto pela verdade, a não esquecerdes que o ensino não é uma simples transmissão de conteúdos, mas uma formação de jovens a quem deveis compreender e amar.” Para Bento XVI, “não podemos avançar no conhecimento de algo, se não nos mover o amor; nem tão pouco amar uma coisa em que não vemos racionalidade”. Nesse sentido, pediu aos professores que sejam humildes. “Na actividade intelectual e docente, a humildade é também uma virtude indispensável, pois protege da vaidade que fecha o acesso à verdade.”

Para finalizar, motivou-os a voltar sempre a olhar para Cristo e fez uso do tema da JMJ “Radicados n’Ele, sereis bons guias dos nossos jovens.” E concedeu-lhes a sua bênção.

Antes do discurso de Bento XVI, o Cardeal Arcebispo de Madrid Antonio María Rouco Varela manifestou a gratidão de variados sectores da vida universitária, especialmente de Espanha, pela decisão do Papa de incluir este encontro no programa da JMJ. Esta é a primeira vez que sucede na história das Jornadas.

Rouco assinalou que “os jovens universitários, que acolheram com tanto calor e afecto, estão muito conscientes que a Palavra do Papa será para eles, nestes momentos tão críticos para a humanidade, luz que os guiará no desenvolvimento cristão da sua tarefa intelectual e educativa.”

Também tomou a palavra em nome de todos os professores, Alejandro Rodrígiues de la Peña, doutorado em história, vice-reitor da Universidade San Pablo CEU e director do Colégio Mayor de San Pablo de Madrid. Rodriguez de la Peña agradeceu ao Papa o “fecundo magistério sobre a vocação universitária e, em particular, entre a ciência e a fé, e sobre o lugar vital da religião revelada na sociedade actual.” Além disso, afirmou que a “recente beatificação do cardeal John Henry Newman foi para todos os católicos um sinal eloquente da importância que vossa Santidade atribui a dimensão intelectual da vivência cristã”.

Neste encontro participou a Escolania del Monastério, que interpretou a “Avé Maria” do compositor e celebre polifonista do renascimento espanhol, Tomás de Vitoria.


No mesmo dia, Bento XVI teve um outro encontro no Pátio de los Reyes do Real Mosteiro de San Lorenzo del Escorial, do qual fez parte jovens religiosas, uma das quais fez uma bela saudação ao Pontífice









quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Homenagens ao Papa em sua chegada a Madri

Os noticiários procuram toldar a belíssima imagem da viagem de Bento XVI à Espanha dando enorme destaque a algumas escaramuças irrelevantes de um punhado de agitadores. Em vão. Corre pelo mundo as imagens das multidões que acorrem para aplaudir o Pontíficee. Veja as imagens abaixo:

Bento XVI chega a Madri e entusiasma as multidões

Madrid 16 de agosto de 2011 – Este domingo, no angelus desde Castelgandolfo, Bento XVI dirigiu-se aos peregrinos que participarão na JMJ para lhes pedir que o “acompanhem com a oração” para que neste evento “se colham abundantes frutos espirituais”.
“Quinta-feira partirei para Madrid. Estou feliz de encontrar ali todos os jovens que estarão presentes dos diversos países do mundo”, assinalou. O Santo Padre insistiu na necessidade de “se confiarem à oração” durante a Viagem Apostólica a Espanha para “que se colham abundantes frutos espirituais”

Do mesmo modo, convidou aos peregrinos “a meditar sobre o tesouro da fé que nos foi transmitido e a acolhe-lo com gratidão”. “Comprometendo-nos a responder de maneira responsável a chamada de Deus e a eleger fundamentar a nossa vida em Cristo. Neste caminho, nos não estamos sós”, realçou Bento XVI.
Mensagem do Papa:
Obrigado, Espanha, pelo legado que a humanidade recebeu de um povo com profundas raízes cristãs e futuro de esperança contagiosa.

O Papa concedeu a possibilidade de ganhar indulgências àqueles que participem na JMJ


Bento XVI concedeu indulgências para quem participe na Jornada Mundial da Juventude, e cumpra com os requisitos requeridos. Em concreto:

• Concede-se a indulgência plenária aos fiéis que participem devotamente em qualquer cerimónia sagrada ou acção piedosa que se celebre em Madrid durante a XXVI Jornada Mundial da Juventude e na sua conclusão solene, desde que, confessados e verdadeiramente arrependidos, recebam a santa comunhão e rezem com devoção pelas intenções de Sua Santidade.
• Se concede la indulgencia parcial a los fieles, dondequiera que se encuentren durante la mencionada Jornada Mundial, si al menos con ánimo contrito, elevan sus súplicas a Dios Espíritu Santo, para que impulse a los jóvenes a la caridad y les dé la fuerza de anunciar el Evangelio con su propia vida.
O que são as indulgências? (Catecismo da Igreja Católica, n. 1471 e seguintes)
• A indulgência é a remissão, perante Deus, da pena temporal devida aos pecados cuja culpa já foi apagada; remissão que o fiel devidamente disposto obtém em certas e determinadas condições, pela acção da Igreja, a qual, enquanto dispensadora da redenção, distribui e aplica por sua autoridade o tesouro das satisfações de Cristo e dos santos.
• O fiel pode lucrar para si mesmo as indulgências ou aplicá-las aos defuntos.
• Para compreender esta doutrina e esta prática da Igreja, deve ter-se presente que o pecado tem uma dupla consequência.
o O pecado grave priva-nos da comunhão com Deus e, portanto, torna-nos incapazes da vida eterna, cuja privação se chama «pena eterna» do pecado.
o Por outro lado, todo o pecado, mesmo venial, traz consigo um apego desordenado às criaturas, o qual precisa de ser purificado, quer nesta vida quer depois da morte, no estado que se chama Purgatório. Esta purificação liberta do que se chama «pena temporal» do pecado.
Condições para ganhar as Indulgências
• Ser baptizado
• Estar em estado de graça
• Ter intenção de receber a Indulgência
Cumprir com as outras condições que a Igreja determinou para a Indulgência que se deseja obter:
para a Indulgência Plenária: estar arrependido dos pecados, realizar a acção requerida para a dita indulgência (neste caso a participação na JMJ) e, além disso, fazer uma confissão sacramental, receber a sagrada comunhão e rezar pelas intenções do Papa (um Pai Nosso e uma Ave-maria, por exemplo). Finalmente, há que estar livre de todo a ligação ao pecado, incluindo os pecados veniais.
para Indulgência Parcial: estar arrependido dos pecados e realizar a acção requerida para a referida Indulgência (neste caso a participação na JMJ)

Veja os vídeos da chegada do Papa a Madri











quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Sé Primaz das Américas completa 500 anos

No último dia 8 de agosto, festa de São Domingos de Gusmão, a arquidiocese de Santo Domingo, na República Dominicana, concluiu as celebrações jubilares pelo aniversário de 500 anos da sua fundação, feita pelo Papa Júlio II, em 8 de agosto de 1511. Uma missa, presidida pelo arcebispo emérito de Sevilha (Espanha), cardeal Carlos Amigo Vallejo, encerrou as comemorações.
O papa Bento XVI, em mensagem enviada ao arcebispo de Santo Domingo, cardeal Nicolas de Jesus Lopez Rodriguez, expressou sua esperança, na celebração dos 500 anos de criação da primeira diocese na América, desejando que este evento “traga abundantes frutos de fé e compromisso entre sacerdotes, religiosos e leigos que, com fervor, pregam o Evangelho”.
Além da arquidiocese de Santo Domingo, com a Bula Romanus Pontifex, o papa Julio II constituiu, no mesmo período, as circunscrições eclesiásticas de La Concepcion de la Vega, na ilha de Hispaniola, e a circunscrição de San Juan, em Porto Rico.
Desde a sua fundação, em 1511, a arquidiocese de Santo Domingo teve 43 bispos, 32 dos quais foram arcebispos e dois cardeais, além de diversos funcionários e administradores apostólicos.
São Domingos, ou Santo Domingo, é a primeira cidade do Novo Mundo, onde estão as primícias das Américas, pois lá se estabeleceu a primeira sé, o primeiro bispo, a primeira catedral, a primeira fortaleza, etc.
A cidade foi fundada em 1496, à margem esquerda do rio Ozama, por Bartolomeu Colombo, irmão de Cristóvão Colombo. Inicialmente, como colônia espanhola, foi batizada com o nome de Nova Isabela, em honra da Rainha Isabel, então reinante. Como cidade, seu nome completo era “La Nueva Isabela, Santo Domingo del Puerto de la Isla de la Española”, servindo então de ponto de apoio para as expedições em busca do resto do continente.
Apesar de haver sido criada por ordem papal no ano de 1511, sua construção somente se iniciou no ano seguinte e sua consagração somente deu-se no ano de 1541. Seu estilo arquitetônica tem traços góticos, com três naves, com as linhas italianas sobressaindo-se em sua fachada principal.
No interior da igreja, destaca-se o estilo renascentista, com grande tesouro artístico formado por móveis, monumentos, quadros, pinturas e outras obras de grande valor histórico. Lá estão os mausoléus de vários arcebispos daquela sé do período colonial. Os restos mortais de Cristóvão Colombo estiveram lá também por muitos anos, depois trasladados para a Espanha. Dentre as obras de arte se destaca o da Virgem de Altagracia, pintada em 1523, uma impressionante obra ainda existente na nave principal.
Como se vê, as Américas receberam seu “batismo” no dia do Santo do Rosário, São Domingos de Gusmão, cujo nome ainda perdura até hoje naquela localidade.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

CAMINHADA COM MARIA 2011

JMJ de Madri tem relíquia de João Paulo II

Uma oferta para Madrid : uma ampola com sangue do novo beato presidirá as celebrações da JMJ
Madrid, 16 de Agosto de 2011– A presença de João Paulo II é reforçada na Jornada Mundial da Juventude de Madrid com uma relíquia que presidirá as principais celebrações. O arcebispo de Cracóvia e ex-secretário do agora beato, Stanisław Dziwisz, ofereceu esta relíquia que presidirá às principais celebrações da Jornada.
O cardeal arcebispo de Madrid, Antonio María Rouco Varela, acompanhado de um grupo de jovens voluntários, rezaram uma oração a João Paulo II pedindo que interceda pelos participantes nestas Jornadas que começaram graças à sua iniciativa em 1985.
Durante as celebrações litúrgicas da JMJ utilizar-se-á um evangeliário – escultura em forma de livro aberto – no qual se conserva uma relíquia do beato João Paulo II: sangue armazenado numa ampola de vidro. A página direita deste livro contem uma imagem do crucifixo que João Paulo II usava como báculo. Na página esquerda aparece o escudo de armas papal, sob o qual se pode ler uma das frases mais famosas do beato durante o seu papado: “Não tenhais medo”, em latim.
O evangeliário será colocado na missa de abertura da JMJ diante do ambão de onde serão proclamadas as leituras, virado para a assembleia.
O sangue que a ampola contém foi extraído de João Paulo II numas recolha para análises que se realizaram nos últimos dias da sua doença no Hospital Menino Jesus. Depois da sua beatificação foi recuperado para relicário. A relíquia foi oferecida ao arcebispo de Madrid a 15 de Agosto de 2011. A escultura que contém a relíquia é obra do artista italiano Carlo Ballina.
O beato João Paulo II, é um dos dez patronos da Jornada Mundial. Além disso, Madrid estará preenchida de múltiplas actos culturais nas quais se celebrará o novo beato e que inundam a cidade por estes dias.
Existem outras duas relíquias de João Paulo II: uma conservada no Hospital Menino Jesus de Roma e outra na Oficina para as Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice.


Tudo pronto para se iniciar a Jornada Mundial da Juventude em Madri

Está tudo pronto na capital espanhola para a inauguração esta noite, às 20;00h (hora local) da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Madri 2011, onde espera-se uma participação de um milhão e meio de jovens provenientes de todo o mundo.
Após inaugurar o Centro Internacional de Imprensa, junto ao Palácio de Congressos de Madri (exatamente em frente ao estádio Santiago Bernabeu, do Real Madri), o arcebispo de Madri e Presidente da Conferência Apiscopal Espanhola, Cardeal Antonio Maria Rouco Varela, presidirá a Missa inaugural da JMJ na Praça Cibeles.
Tão logo terminaram os “Dias nas dioceses” em diferentes lugares da Espanha exceto Madri, os peregrinos começaram a abarrotar a capital exigindo uma série de medidas para poder acomodá-los e a fim de garantir o transporte durante os dias do evento, entre os dias 16 de 21 de agosto. Os peregrinos passarão o primeiro dia num dos 7 mil lugares de acolhida que se lhes ofereceu em toda Madri, entre colégios, paróquias, ginásios esportivos, etc.
Quanto ao transporte, a agência ACI Prensa foi informada, por exemplo, que o Metrô de Madri, que funciona com dez linhas fixas, ampliará sua oferta de veículos em 60%, apesar das ameaças de greve. Algumas linhas de ônibus deverão modificar suas rotas, mas também asseguraram que os peregrinos poderão fazer uso normal deles.
Nos primeiros dias, além de várias atividades culturais, programadas especialmente para os peregrinos, entre exposições, conferências, concertos, participarão das catequeses dadas por alguns dos 800 bispos que estão chegando a Madri para fazer parte deste importante evento eclesial e mundial.
Mais de uma vez foi desmentido que a JMJ ofereça algum custo para o governo, e destacou-se a austeridade com que o mesmo foi feito. Em entrevista dada à Europa Press, o vice-secretário geral do PSOE e porta-voz do governo, o ministro do fomento José Blanco, disse que esta jornada “acarretará alguns gastos, mas também importantes ingressos e, no final, ponderando ambos, não acarretará gasto para o Estado”.

Acompanhe os eventos no Site Oficial da JMJ Madri 2011


segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Caminhada com Maria leva mais de 1 milhão de fiéis às ruas de Fortaleza


Ocorreu hoje na capital cearense a IX Caminhada com Maria, que sempre traz multidões incalculáveis para a procissão. Trata-se da Festa de Nossa Senhora da Assunção, padroeira de Fortaleza, celebrada hoje. Segundo o portal G1 o público desta IX Caminhada foi calculado em 1,8 milhão de pessoas, enquanto que o jornal “O Estado” apenas destacou a presença de “mais de milhão de fiéis”. Transcrevemos abaixo a notícia divulgada hoje pelo jornal “O Estado”:
Fé e devoção. A Caminhada com Maria 2010, que teve como tema “Fica Conosco Senhor”, levou, por mais um ano, mais de 1 milhão de pessoas à avenida Leste-Oeste, rumo à Catedral de Fortaleza. Para homenagear a padroeira da Capital, Nossa Senhora da Assunção, muitos devotos vestiam roupas brancas e carregavam terços, que eram rezados durante o percurso de aproximadamente 12 km até o destino da peregrinação. Sete carros de apoio e 3 mil pessoas, que trabalhavam na estrutura do evento, conduziam a multidão. No meio da passeata, um carro da Polícia Rodoviária Federal conduzia a imagem da santa.
A Caminhada partiu do Santuário de Nossa Senhora da Assunção, no bairro Nova Assunção, e foi recebendo mais fiéis ao longo da Leste-Oeste. Próximo à Ponte do Rio Ceará, milhares de pessoas aguardavam a passagem da santa. Aos poucos, quem esperava a procissão, começava a fazer parte de um dos eventos religiosos de maior peso na Capital. Cânticos, orações e muitos agradecimentos era o que mais ouvia-se durante o trajeto.
“Essa é a maior expressão de amor da população. É muito bom ver a espontaneidade dos fiéis e o reconhecimento da origem cristã e mariana dos fortalezenses”, descreveu o arcebispo de Fortaleza, dom José Antônio Aparecido Tosi Marques. Acompanhando o carro que conduzia a imagem de Nossa Senhora da Assunção, o arcebispo destacou que a participação crescente de jovens em eventos religiosos é “um sinal de que eles sentem-se inseridos na religião”. De acordo com dom José, o número crescente de participantes durante a peregrinação é reflexo da certeza que “só Deus responde às necessidades das pessoas, por isso elas estão aqui”.
JUVENTUDE ENGAJADA
Na concentração para a Caminhada, 20 jovens, entre 14 e 27 anos, preparavam-se para o trajeto. Eles são integrantes do Grupo Juventude Missionária, da Igreja do Cristo Ressuscitado, em Messejana, e estavam animados com a possibilidade de participar ativamente de um evento religioso. “É a primeira vez que nós viemos, pois o grupo só existe há um ano. Porém, sabemos que estar em expressões religiosas como essa faz parte do que é ser católico”, ressaltou o coordenador do grupo, Felipe Gonzales.
Felipe explicou a importância do jovem dentro da igreja. “O respeito por Nossa Senhora, mãe de Jesus é o principal motivo. E todos deveriam saber que ela foi mãe aos 15 anos de idade, no auge da sua juventude”, contou. Para ele, a Caminhada é puramente para fortalecer a fé. “Nós temos muita fé, posso lhe garantir isso. Sair de Messejana até a Barra do Ceará para andar quase 12 km no sol só pode ser muita vontade de selar a relação com Deus, através de Maria”, analisou.
GRAÇAS A NOSSA SENHORA
“Eu vim para todas as caminhadas, sempre peço uma graça e sou atendida”, afirmou a professora Eliete Tavares de Araújo. Ao lado dela estavam a mãe e o noivo, ambos segurando suas mãos, parte da promessa que havia feito. Paraa mãe de Eliete, Quintina Tavares de Araújo, 79, andar, cantar e agradecer à santa é um dever. “Faço pelos meus filhos, pela proteção deles. Nem me canso, vou rezando e nem vejo o tempo passar. Virei quantas vezes Deus me permitir, pois saio com o coração muito mais vivo na fé”, declarou.
O casal Sueudes Silva de Oliveira e Alexandra Sousa da Silva também caminhava em nome do agradecimento e da fé. “Faço parte da comunidade católica de Nossa Senhora de Assunção e, pela segunda vez, venho ser grato pelo que ela [santa] faz na minha vida”, disse Sueudes. Alexandra avaliou que participar do evento é uma forma de fortificar a família. “Acho muito importante, nossos filhos também farão parte dessa homenagem”, frisou.
A imagem de Nossa Senhora da Assunção chegou à Capital há 388 anos, instalando-se em seu santuário, na Barra do Ceará. Em 2012, quando completará 390 anos da chegada da santa e 10 anos de caminhada, a arquidiocese de Fortaleza planeja uma festa ainda maior.





Assunção de Nossa Senhora aos Céus


Hoje, numa das maiores festas da Cristandade, está ocorrendo uma concorridíssima procissão na Capital cearense, Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, quando espera-se mais de um milhão de pessoas, como se deu no ano passado na "Caminhada com Maria"
Definição solene do dogma
No dia 1 de novembro de 1950, o Papa Pio XII assim definou o Dogma da Assunção de Nossa Senhora aos Céus:

"Pelo que, depois de termos dirigido a Deus repetidas súplicas, e de termos invocado a paz do Espírito de verdade, para glória de Deus onipotente que à virgem Maria concedeu a sua especial benevolência, para honra do seu Filho, Rei imortal dos séculos e triunfador do pecado e da morte, para aumento da glória da sua augusta mãe, e para gozo e júbilo de toda a Igreja, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados apóstolos s. Pedro e s. Paulo e com a nossa, pronunciamos, declaramos e definimos ser dogma divinamente revelado que: a imaculada Mãe de Deus, a sempre virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celestial".


CONSTITUIÇÃO APOSTÓLICA DO PAPA PIO XII MUNIFICENTISSIMUS DEUS
DEFINIÇÃO DO DOGMA DA ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA EM CORPO E ALMA AO CÉU


sábado, 13 de agosto de 2011

As gestas de um Santo: a batalha de Aljubarrota

14 de agosto, comemora-se uma das mais célebres batalhas épicas de Portugal, protagonizada por um dos maiores heróis da Cristandade: São Nuno de Santa Maria, o fabuloso Condestável de Dom João I, primeiro rei da dinastia de Avis.
Coria o ano de 1385. Estava chegando a hora decisiva para se definir a posse do reino de Portugal ou para consolidar o novo trono procedente de Avis. Coimbra, que meses antes tinha sido o palco onde nascera a nova monarquia, seria agora o teatro do entrechoque trágico das forças contrárias em disputa pelo reino. O rei de Castela, mais uma vez, tentava invadir Portugal.
Quando a notícia da aproximação do exército castelhano chegou a Lisboa, se reavivaram nas mentes as tristes lembranças do cerco que haviam sofrido não fazia um ano ainda. Sabiam os portugueses que o exército castelhano era mais poderoso, e que seria difícil resistir a seus assédios. Mas havia na alma de todos uma terna e inabalável confiança na Providência Divina. Esta confiança era alimentada pela vigorosa Fé católica que se enraizara naquele povo. Quando do primeiro cerco, Deus fizera o grandioso milagre salvando a cidade através da peste que grassara no exército invasor. E havia em todos a certeza de que o anjo exterminador acompanhava o grande Condestável Dom Nun'Álvares Pereira, agora mais ativo do que nunca. Havia a crença certeira de que viria o socorro do Céu, e que São Miguel Arcanjo seria quem armaria o braço de Dom Nuno para desbaratar mais uma vez o exército invasor.
Para ler o texto completo acesse: A Batalha de Aljubarrota, épico histórico.


quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Círio de Nazaré em Salvador


A imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré de Belém do Pará estará em Salvador de 18 a 21 de agosto. A chegada ao Aeroporto Internacional Deputado Luis Eduardo Magalhães está marcada para às 15h, de onde a imagem segue em carreata até a Catedral Basílica, no Terreiro de Jesus. Missas, vigílias e orações do terço integram a programação da visita, que terá como ponto alto o dia 19 de agosto, com o Círio Luminoso.
Em paralelo as manifestações religiosas, de 19 a 21 de agosto acontece uma exposição com objetos do Ciro de Nazaré. Para a abertura da mostra, no dia 19, a imagem de Nazaré sairá da Catedral Basílica, às 9h30 em direção ao Palácio Rio Branco, na Praça Municipal, onde passará o dia. Na exposição o público poderá ver mantos, a berlinda e a corda do Círio, além de peças feitas de muriti, madeira utilizada pelos artesãos de Belém do Pará.
Na noite do dia 19, às 19 horas tem início o Círio Luminoso pelas ruas do centro de Salvador. Os fiéis junto com a imagem sairão da Praça Municipal e subirão a Avenida Sete de Setembro na contra-mão. Na Praça da Piedade seguirão pela Avenida Joana Angélica até a Paróquia Nossa Senhora de Nazaré, no bairro de Nazaré. Esta é a primeira vez que a cidade recebe esta manifestação religiosa.
“Nosso coração se alegra como o de um filho que espera por sua mãe. Nossa paróquia está muito animada. Creio que é uma graça de Deus receber a visita da Senhora da Amazônia. Celebraremos o primeiro Círio de Nazaré na terra do Senhor do Bonfim. Será um bem valoroso para a nossa Arquidiocese”, revela o pároco de Nossa Senhora de Nazaré e responsável pela vinda da imagem.
A curadora Executiva da Diretoria da Festa de Nazaré de Belém do Pará vê na religiosidade baiana semelhanças com a paraense. “A expectativa para Salvador é grandiosa já que é extremamente rica na concepção religiosa. Esta riqueza tem em comum com o Círio de Belém a hereditariedade dos portugueses. É o ardor religioso, a reverência ao belo, e a sensibilidade e fé do nosso povo”, conclui.
Peregrinação – A imagem de Nossa Senhora de Nazaré de Belém do Pará começou a percorre oficialmente o Brasil em 2007, depois que o Círio de Nazaré foi tombado como Patrimônio Imaterial da Cultura Brasileira pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional. A exposição do Círio já aconteceu no Senado Federal em 2007, em São Paulo em 2008, no Rio de Janeiro em 2009 e no ano de 2010 em Belo Horizonte.

Enquanto as Bolsas choram suas perdas... milhões estão ameaçados de morte pela fome


"O mundo não deve ficar indiferente à fome e à seca que ameaçam 12 milhões de pessoas no Chifre da África", afirmou o Papa Bento XVI. "Nós não devemos ficar indiferentes ao drama da fome e da sede", declarou o Papa diante de centenas de peregrinos em Castel Gandolfo, a residência de verão do Sumo Pontífice, durante a oração do Angelus semanal. "Muitos irmãos e irmãs no Chifre da África sofrem as consequências dramáticas da fome, agravada pela guerra e pela falta de instituições estáveis", acrescentou.

O Papa pediu "compaixão e solidariedade fraterna". Bento XVI referiu-se à Bíblia, especialmente à história da milagrosa multiplicação dos pães por Cristo. "Jesus nos lembra-nos de nossa responsabilidade de ajudar os que têm fome e sede". O Chifre da África está sofrendo sua pior seca em décadas, segundo a ONU. A ONU, que também falou sobre a crise alimentar mais grave na África nos últimos 20 anos, estima que cerca de 12 milhões de pessoas estão ameaçadas na região.

De acordo com o Secretário-Geral da ONU Ban Ki-moon, são necessários US$ 1,6 bilhão apenas para a Somália. Morreram mais de 29.000 crianças nos últimos 90 dias na Somália

A crise de fome prossegue em África e as consequências agravam-se a um ritmo diário. A ONU avançou que as suas estimativas apontam para que na Somália já tenham morrido mais de 29 mil crianças com menos de cinco anos de idade nos últimos 90 dias. A pior crise de fome nos últimos 60 anos tem-se agravado nestas derradeiras semanas e além do número de mortes infantis estimado, a ONU aponta ainda para cerca de 640 mil crianças que estarão subnutridas no país.
Aos constantes apelos pelo envio de ajuda humanitária para a região a ONU tem avançado com informações que colocam em números os efeitos devastadores da crise de seca e fome que tem na Somália o seu epicentro. De acordo com a Organização das Nações Unidas, dos 7,5 milhões de somalis que habitam o país, cerca de 3,2 milhões necessitarão de ajuda imediata e crucial para a sua sobrevivência.
Na Somália são já cinco as áreas classificadas pela ONU como zonas de fome, o que tem motivado a migração de milhares de somalis em direcção a campos de refugiados situados no Quénia e na Etiópia, nações vizinhas.
Às dificuldades colocadas pela crise de seca e fome acrescem os obstáculos erguidos por grupos da al-Qaeda presentes na região, que se recusam a reconhecer a existência de fome na região e dificultam as operações de ajuda humanitária aos refugiados somalis, principalmente ao tentarem bloquear as ajudas vindas do World Food Program, o mais vasto programa internacional de ajuda humanitária para crises de fome.
A calamidade da fome nos dias que correm decorrem, segundo a ONU, de prolongada seca que perdura na região denominada de "Chifre da África". Outras calamidades decorrentes da fome já houve, no entanto, no passado, uma delas decorrentes do regime comunista. Por exemplo, estima-se que só na Coreia do Norte já morreram mais de 2 milhões de pessoas por causa da fome, enquanto a Coreia do Sul (vizinha) não sofre tais calamidades.


Sobre o tema da fome no mundo, veja as seguintes postagens:

Um bilhão de famintos?

Enquanto os comunistas previam erradamente em 1960 o fim da fome, sob o advento do socialismo, ONG católica fundada naquela época ainda hoje atua

Cresce a produção de alimentos e a fome no mundo

Comunismo lidera as grandes tragédias da fome no mundo

Papa lembra a grande fome que matou milhões na URSS

Festa da Beata "Dulce dos Pobres"


O dia 13 de agosto foi escolhido como dia da Beata Dulce, porque foi nesta data que a então jovem aspirante Maria Rita realizou sua vestição do hábito e entrou para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus com o nome de Irmã Dulce. O dia da "Bem-aventurada Dulce dos Pobres" já está integrado ao calendário litúrgico da Igreja e para sua Festa, neste próximo sábado, espera-se várias comemorações.
Diversas igrejas e comunidades religiosas, no Brasil e no exterior, estão unidas para comemorar a primeira festa em honra da beata irmã Dulce. Igrejas de Minas Gerais, do Paraná, do Mato Grosso, do Distrito Federal e de Afragola e Gallipoli, na Itália, homenagearão o "Anjo Bom do Brasil", mas a celebração com maior destaque virá mesmo de Salvador cidade onde a "Bem-aventurada Dulce dos Pobres" viveu e realizou a sua obra.
A programação da celebração em honra da Beata Irmã Dulce na Arquidiocese de Salvador foi divulgada recentemente. A missa festiva começará às 9h do dia 13 de agosto e acontecerá no santuário dedicado à religiosa, que fica localizado no Largo de Roma. A cerimônia religiosa será presidida pelo arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger. No mesmo dia, às 17h, haverá uma procissão do santuário pelas ruas da cidade, cujo destino final será a Igreja do Bonfim.
Mais homenagens à beata
Além das celebrações em honra à irmã Dulce, igrejas de todo o país homenagearão a "Bem-aventurada Dulce dos Pobres" com a construção de capelas dedicadas a ela. Serão nove paróquias que renderão tal tributo à religiosa. As capelas ficarão nas cidades de Teresina, no Piauí; Dores, em Sergipe; Fortaleza, no Ceará; João Pessoa, na Paraíba; e Taubaté, em São Paulo.
Mais, sobre a Irmã Dulce:
Veja nossa postagem Irmã Dulce e a opinião pública

E o melhor vídeo sobre seu apostolado, feito pela Tv Arautos:

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Católicos de Sucumbios vão ao Presidente do Equador pedir a volta dos Arautos do Evangelho

Notícias provindas de Quito dão conta de que centenas de pessoas viajaram da Província de Sucumbios até Quito, capital do Equador, para manifestar seu apoio à Igreja e seus representantes legítimos naquela localidade, pedindo para ser recebidos por Rafael Correa.
Chegaram ao palácio do Governo com cartazes, balões e bandeiras de cor branco e amarelo (as cores do Vaticano). Com entusiasmo gritavam na praça slogans alusivos aos seus pleitos, como, por exemplo “Senhor presidente, por favor que regressem os Arautos”; “Não aos Carmelitas, consolatos e diocesanos rebeldes”; Basta! 40 anos são suficientes”; “Queremos verdadeiros sacerdotes, queremos os Arautos”; “Viva o Papa!”; “Viva a Igreja Católica, apostólica e romana!”.
O assessor da Presidência da República viu-se obrigado a receber a dois representantes da comissão de apoio à Igreja Católica em Sucumbios, os quais numa franca e calma conversa, que durou mais de uma hora, expressaram seus pontos de vista, entre os quais ficou claro a não ingerência política neste assunto, haja vista que o problema pertence somente à Igreja e não ao governo, o qual não deveria impedir o retorno dos Arautos a Sucumbios. Manifestaram também seu desejo de que os rebeldes do grupo denominado ISAMIS não deveriam voltar até à Província, não são bem vistos pela população.
Veja as manifestações dos católicos equatorianos nos vídeos abaixo:









Santa Teresa Benedita da Cruz, Co-Patrona da Europa

Hoje é dia de Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein), a filósofa judia convertida ao Catolicismo e feita Carmelita de clausura. Foi uma das vítimas do socialismo nazista, executada na câmara de gás em 9 de agosto de 1942. Exponho abaixo um esboço biográfico dessa grande santa, futura doutora da Igreja.

Nos séculos anteriores, algumas vozes já haviam se levantado para divulgar a bandeira do que se denominou depois de “feminismo”. Mary Wollstonecraft , por exemplo, foi considerada por alguns historiadores como a primeira feminista por defender pontos de vista sempre com a idéia de igualdade entre homens e mulheres. Algumas suas seguidoras como Lady Wollstonecraft, Mary Farifax Somerville, Lucretia Coffin Mott e Lady Elizabeth Cady Stanton chegaram até a organizar a primeira Convenção pelos Direitos das Mulheres em Nova York. Outras ainda se destacaram, em sua maioria oriundas do protestantismo, como Lucy Stone e Susan Brownell Anthony, pertencentes aos Quakers;
Destacou-se, dentre todas, a escritora socialista francesa George Sand como uma das precursoras do movimento feminista de nossa época. Outras ativistas do século XIX foram as puritanas da seita Quaker, nascidas nos Estados Unidos, Lucretia Coffim Mott e Susan Brownell Anthony, as ativistas Elizabeth Cady Stanton, Lucy Stone (americana), Sophia Jex-Blake (escocesa), todas elas personalidades de destaque no meio da alta sociedade.
Muitos consideram falsa a idéia de que somente em meados do século XX foi que tal movimento tomou corpo e se expandiu por toda a terra com Simone de Beauvoir. No tempo de Edith Stein, início do século XX, a “questão feminista” estava candente e com todo vigor, embora mais especificamente na Europa. Antes de sua conversão, Edith Stein chegou a se inscrever como membro da “Associação Prussiana para Defesa do Direito do Voto da Mulher”, um movimento acusado de ter cunho socialista. Não se ouviu mais falar de que tenha se envolvido nunca mais com tais movimentos, parecendo ter sido este um “pecado de juventude”.
Era uma época em que, principalmente na Alemanha, a mulher não tinha quase nenhuma chance de ensinar nas faculdades. Mas Edith Stein, que considerava o ensino como uma atividade tipicamente feminina, enfrentando o respeito humano e as opiniões contraditórias (não havia mulheres no corpo docente das faculdades alemãs), concorreu a uma vaga na Universidade de Götingen. Foi recomendada em tom meio irônico por seu orientador no doutorado, o filósofo Husserl, que assim se expressou: “Se a carreira acadêmica fosse aberta às mulheres, então eu recomendaria em primeiríssimo lugar e calorosamente a admissão de sua candidatura”. De nada adiantou indicação de tanto peso, já que Husserl era nada mais nada menos do que um filósofo famoso e respeitado tanto na Alemanha quanto no exterior, um dos principais mentores da escola da “Fenomenologia” : sua inscrição foi rejeitada em 1919, num rápido processo que decepcionou profundamente Edith Stein. O seu caso nem sequer foi levado à Congregação da Faculdade que ela pleiteava, pois uma comissão prévia a rejeitava alegando que a ocupação de cátedras por mulheres sempre trazia problemas para a Escola.
Nem por isso Santa Edith Stein ficou conformada: recorreu ao ministério competente na Capital, argumentando que o fato de ser mulher não poderia ser um impedimento para o avanço de uma carreira científica. O ministro concordou e mandou uma portaria às universidades, recomendando que o fato de ser mulher não fosse impedimento para o acesso ao ensino superior. Mesmo assim, a Universidade de Götinger não voltou atrás, perdendo a oportunidade de ter em seu corpo docente uma grande doutora. No entanto, nota-se no episódio a diferença da atitude de Santa Edith Stein com a das mulheres ditas “feministas”: estas provavelmente procurariam provocar um confronto com as autoridades e fariam um discurso inflamado ou até passeata em defesa da igualdade entre homens e mulheres. Embora Edith Stein ainda não fosse católica, estava no entanto possuída de bom espírito. Alguns anos depois, quando já crescia sua fama como conferencista e filósofa renomada, foi indicada para a universidade de Freiburg, mas recusou educadamente o cargo pois pleiteava escolas de níveis melhores

Porta-voz dos legítimos direitos da mulher

O espírito de Santa Edith Stein sempre se revelou como recatado e humilde, até mesmo antes de sua conversão. Conhecia perfeitamente os ditames da moda, porém não gostava de bailes nem de exibicionismos sociais, que na época era coisa comum onde andasse. Até mesmo nas festas estudantis, onde todos são descontraídos, ela sempre se mostrava recolhida. Isto fazia-a estar sempre pensativa e analisando antes de fazer qualquer coisa.
Aos poucos foi amadurecendo no interior dela as definições que precisava para caracterizar o modo de proteger a mulher contra situações de opróbrio e de indignidade. Estudava e vivia quotidianamente situações que a levaram como conceber a melhor forma de encarar o problema do lugar da mulher na sociedade. Havia sido enfermeira e ido para o “front” de batalha na primeira grande guerra; voltando às atividades normais, trabalhou em hospitais de desvalidos, mas sempre com a idéia de dedicar-se com afinco aos estudos. Em 1911, quando iniciara o curso de filosofia na universidade de Breslau, era a única mulher no curso de psicologia. Formou-se em janeiro de 1915, em pleno período de Guerra. Este curso lhe possibilitaria depois uma cadeira de ensino em escola secundária. Alguns anos depois, tornou-se assistente do famoso Husserl, seu orientador na tese de doutorado e para o qual redigiu (como secretária) a principal obra de Husserl sobre a “Fenomenologia”.
No final da década de 20, a doutora Edith Stein já se destacava nos meios intelectuais da Alemanha. Em 1928, a Associação Católica de Professoras da Baviera convida-a para fazer uma conferência. O tema, “O valor genuíno da mulher e seu significado para a vida do povo”, foi mais ou menos o assunto de todas as suas palestras e estudos quando versava sobre o papel da mulher na sociedade. Nos anos seguintes foi convidada para várias conferências e simpósios, sempre tendo como tema a mulher, em Heidelberg, em Freiburg, depois em cidades maiores como Colônia, Zurique, Viena e Praga. O que chamava a atenção sobre ela era exatamente que seu discurso distanciava-se completamente dos ideais “feministas” da esquerda. Um repórter do jornal “Heidelberger Boten” declarou que a palestra de Edith Stein no movimento católico tornou-se mais convincente porque “não se ateve ao caráter patético do movimento feminista”, formulando seus pensamentos de forma concreta e sem rodeios.
As conferências se sucediam, e a bandeira da defesa da mulher passou para as mãos de uma pessoa que, a estas alturas, já era uma católica fervorosa. O público em geral ficava surpreso, pois muitos esperavam algo diferente: em vez de arroubos retóricos e inflamados em defesa da liberdade da mulher, Edith Stein, com sua simplicidade, modestamente vestida, convidava todos a respeitarem os direitos da mulher sem que fosse necessário a convocação para uma luta de libertação do sexo feminino, como o faziam sempre as feministas de esquerda. Isto lhe acarretou o confronto com várias ativistas da época, as quais condenavam a forma como Santa Edith Stein debatia o assunto, acusando-a de ser uma “patriarcalista” disfarçada.
Não se tratava disso: ela defendia com ardor os verdadeiros direitos da mulher. Ao mesmo tempo que afirmava categoricamente os papéis que cabiam a ambos os sexos, contestava vigorosamente a existência de qualquer igualdade sexual. Numa conferência ela definiu os dois papéis: “A profissão primordial do homem é o domínio sobre a terra. A mulher coloca-se ao seu lado como colaboradora. A profissão primária da mulher é a criação e educação dos descendentes. O homem se encaixa nessa tarefa como seu protetor. Isso significa que os dotes mencionados estão presentes em ambos, embora em diferentes medidas e proporções. Ao homem sobretudo os dotes para a luta, a conquista e domínio: a força física para a tomada de posse externa, a inteligência para penetrar o mundo de forma sagaz, força de vontade e energia para realização criadora. Para a mulher, a capacidade de guardar, proteger e estimular o desenvolvimento daquele que está crescendo e promover o seu desdobramento”. Em síntese: com o homem estaria mais a razão, enquanto que com a mulher o coração.
A par disso, Edith Stein afirmava com destemor os direitos da mulher exatamente numa época e num país onde eles eram menos respeitados, na Alemanha. Segundo críticos dela, uma de suas realizações que deu mais fruto foi exatamente banir a idéia da impossibilidade do ingresso da mulher no chamado “mercado de trabalho”, ou seja, no mundo profissional moderno. Ela afirmava que não há profissão que não possa ser exercida por uma mulher. Ao lado de mostrar de forma convicta a responsabilidade de ambos os sexos na sociedade, estabelece, todavia, a mulher num papel bem específico e mais valorizado.

O texto completo sobre Edith Stein poderá visto clicando em seu nome.


Em Fortaleza, está para se realizar importante simpósio internacional sobre Santa Edith Stein - Maiores informações, clique aqui.

Há um filme sobre a Santa no Yotube.

Abaixo, um vídeo em espanhol sobre a Santa:


domingo, 7 de agosto de 2011

Caminhada com Maria - convite da Arquidiocese de Fortaleza



A Festa de Nossa Senhora da Assunção, em Fortaleza, está se tornando uma das maiores manifestações católicas do mundo. No ano passado, a Procissão, denominada "Caminhada com Maria", contava com mais de 1,5 milhão de pessoas. Espera-se que neste ano, número igual ou maior de devotos acompanhem o cortejo religioso. Veja nossa postagem sobre o evento ocorrido no ano passado, clicando aqui Caminhada com Maria na Festa de Nossa Senhora da Assunção.




Transcrevemos abaixo o convite que a Arquidiocese de Fortaleza está divulgando sobre o Evento:

Fortaleza, 24 de julho de 2011.

Carta Circular 009/2011: Caminhada com Maria – Solenidade da Assunção de Nossa Senhora

Caríssimos Irmãos no Sacerdócio,

Alegria e Paz no Senhor!

Na Solenidade de Nossa Senhora da Assunção, Padroeira da Cidade de Fortaleza, estaremos realizando pela nona vez a Caminhada com Maria.

A própria história da evangelização no Ceará está marcada por esta presença de Nossa Senhora: desde o primeiro povoado na Barra do Rio Ceará, passando pela Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção e finalmente marcando sua presença como Padroeira da Cidade de Fortaleza, na Catedral Metropolitana. Esta celebração marca o reconhecimento das origens cristãs católicas de nossa cidade.
Em continuidade e sintonia com a Exortação Apostólica Pós-sinodal do Papa Bento XVI – Verbum Domini e as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2011 – 2015), teremos como tema desta Caminhada: “Caminhando com Maria: acolhendo Jesus – a Palavra de Deus.”

No dia 15 de agosto, segunda-feira,
Solenidade da Assunção de Nossa Senhora,
a partir do Santuário de Nossa Senhora da Assunção – Nova Assunção,
com início às 14h00min,
até a Catedral Metropolitana de Fortaleza,
pela Avenida Leste-Oeste.

Convocamos todos os fiéis de nossa Arquidiocese, especialmente das comunidades das Paróquias e Áreas Pastorais das Regiões Metropolitanas, das Comunidades Religiosas, das Associações e Movimentos Eclesiais, para esta manifestação pública de nossa fé em Cristo e seguimento de seus passos com Maria.

Para que o maior número de fiéis possa participar, nas paróquias e áreas pastorais metropolitanas, todas as celebrações sejam realizadas nas igrejas na manhã do dia 15, conforme as rubricas litúrgicas abaixo, ficando reservada a tarde e noite do dia 15 para esta grande manifestação comum de nossa Igreja Arquidiocesana.

Lembramos a todos as diretrizes litúrgicas para esta celebração, conforme as encontramos no Diretório da Liturgia para o Brasil – da CNBB:

terça-feira, 2 de agosto de 2011

PIO XII SALVOU 11.000 JUDEUS ROMANOS





Dados publicados pela fundação Pave the Way




Por Jesús Colina
ROMA, sexta-feira, 29 de julho de 2011 (ZENIT.org) – Conforme documentação descoberta recentemente por historiadores, a ação direta do papa Pio XII salvou a vida de mais de 11.000 judeus em Roma durante a II Guerra Mundial.
O representante da fundação Pave the Way na Alemanha, o historiador e pesquisador Michael Hesemann, descobriu muitos documentos originais de grande importância ao pesquisar os arquivos da igreja de Santa Maria dell'Anima, a igreja nacional da Alemanha em Roma.
A Pave the Way, com sede nos Estados Unidos, fundada pelo judeu Gary Krupp, anunciou o achado em declaração enviada a ZENIT.
“Muitos criticaram Pio XII por guardar silêncio durante as prisões e quando os trens partiram de Roma com 1.007 judeus, que foram enviados para o campo de concentração de Auschwitz”, declarou Krupp. “Os críticos não reconhecem nem sequer a intervenção direta de Pio XII para dar fim às prisões, em 16 de outubro de 1943”.
“Novos achados provam que Pio XII agiu diretamente nos bastidores para impedir as prisões às 2 horas da tarde do mesmo dia em que elas começaram, mas não conseguiu deter o trem que tinha aquele destino tão cruel”, acrescentou.
Segundo um estudo recente do pesquisador Dominiek Oversteyns, havia em Roma 12.428 judeus no dia 16 de outubro de 1943.
“A ação direta do papa Pio XII salvou a vida de mais de 11.400 judeus”, explica Krupp. “Na manhã de 16 de outubro de 1943, quando o papa soube da prisão dos judeus, enviou imediatamente um protesto oficial vaticano ao embaixador alemão, que sabia que não teria resultado algum. O pontífice mandou então seu sobrinho, o príncipe Carlo Pacelli, até o bispo austríaco Alois Hudal, cabeça da igreja nacional alemã em Roma, que, conforme relatos, tinha boas relações com os nazistas. O príncipe Pacelli disse a Hudal que tinha sido enviado pelo papa e que Hudal devia escrever uma carta ao governador alemão de Roma, o general Stahel, pedindo que as prisões fossem canceladas”.
A carta do bispo Hudal ao Generale Stahel dizia: “Precisamente agora, uma fonte vaticana [...] me informou que nesta manhã começou a prisão dos judeus de nacionalidade italiana. No interesse de um diálogo pacífico entre o Vaticano e o comando militar alemão, peço-lhe urgentemente que dê ordem para parar imediatamente estas prisões em Roma e nas regiões circundantes. A reputação da Alemanha nos países estrangeiros exige esta medida, assim como o perigo de que o papa proteste abertamente”.
A carta foi entregue em mãos ao general Stahel por um emissário de confiança do papa Pio XII, o sacerdote alemão Pancratius Pfeiffer, superior geral da Sociedade do Divino Salvador, que conhecia Stahel pessoalmente.
Na manhã seguinte, o general respondeu ao telefone: “Transmiti imediatamente a questão à Gestapo local e a Himmler pessoalmente. E Himmler ordenou que, considerado o status especial de Roma, as prisões sejam interrompidas imediatamente”.
Estes fatos são confirmados também pelo testemunho obtido durante a pesquisa do relator da causa de beatificação de Pio XII, o padre jesuíta Peter Gumpel.
Gumpel declarou ter falado pessoalmente com o general Dietrich Beelitz, que era o oficial de ligação entre o escritório de Kesselring e o comando de Hitler. O general Beelitz ouviu a conversa telefônica entre Stahel e Himmler e confirmou que o general Stahel tinha usado com Himmler a ameaça de um fracasso militar se as prisões continuassem.
Institutos religiosos isentos de inspeções nazistas
Outro documento, “As ações para salvar inumeráveis pessoas da nação judaica”, afirma que o bispo Hudal conseguiu, através dos contatos com Stahel e com o coronel von Veltheim, que “550 instituições e colégios religiosos ficassem isentos de inspeções e visitas da polícia militar alemã”.
Só numa destas estruturas, o Instituto San Giuseppe, 80 judeus estavam escondidos.
A nota menciona também a participação “em grande medida” do príncipe Carlo Pacelli, sobrinho de Pio XII. “Os soldados alemães eram muito disciplinados e respeitavam a assinatura de um alto oficial alemão... Milhares de judeus locais em Roma, Assis, Loreto, Pádua e outras cidades foram salvos graças a esta declaração”.
Michael Hesemann afirma que é óbvio que qualquer protesto público do papa quando o trem partiu teria provocado o recomeço das prisões.
Ele ainda explica que a fundação Pave the Way tem no seu site a ordem original das SS de prender 8.000 judeus romanos, que deveriam ser enviados para o campo de trabalho de Mauthausen e ser retidos como reféns, e não para o campo de concentração de Auschwitz. Pode-se pensar que o Vaticano acreditasse em negociar a libertação deles.
Soube-se também que o Vaticano reconheceu que o bispo Hudal ajudou alguns criminosos de guerra nazistas a fugir da prisão no fim do conflito.
Por causa de sua postura política, o bispo era persona non grata no Vaticano, e foi repreendido por escrito pelo secretário de Estado vaticano, o cardeal Giovanni Battista Montini (futuro papa Paulo VI), por sugerir que o Vaticano ajudasse os nazistas a fugir.
Gary Krupp, diretor geral da Pave the Way, comentou que a fundação “investiu grandes recursos para obter e difundir publicamente todas estas informações para historiadores e peritos. Curiosamente, nenhum dos maiores críticos do papa Pio XII se deu ao trabalho de vir até os Arquivos Vaticanos abertos (e abertos completamente, desde 2006, até o ano de 1939) para fazer estudos originais. Também não consultaram o nosso site gratuito”.
Krupp afirma ter a sincera esperança de que os representantes dos peritos da comunidade judaica romana pesquisem o material original, que se encontra a poucos passos de sua casa.
“Creio que descobriram que mesma existência hoje da que o papa Pio XII chamava ‘esta vibrante comunidade’ deve-se aos esforços secretos deste papa para salvar cada vida”, disse. “Pio XII fez o que pôde, quando estava sob a ameaça de invasão, de morte, cercado por forças hostis e com espiões infiltrados”.
Elliot Hershberg, presidente da Pave the Way Foundation, acrescenta: “No serviço de nossa missão, nos empenhamos em tentar oferecer uma solução para esta controvérsia, que atinge mais de 1 bilhão de pessoas”.
“Temos usado nossos links internacionais para obter e inserir em nosso site 46.000 páginas de documentos originais, artigos originais, testemunhos oculares e entrevistas com especialistas para oferecer esta documentação pronta a historiadores e especialistas.”
“A publicidade internacional deste projeto tem levado, a cada semana, nova documentação, que mostra como estamos nos movendo para eliminar o bloqueio acadêmico que existe desde 1963.”

Nossa Senhora dos Anjos, Padroeira da Costa Rica



Em Cartago, cidade da Costa Rica, encontra-se um dos mais importantes santuários da América Central, onde é venerada Nossa Senhora dos Anjos. A imagem é de pedra e pequena, sustentando o Menino Jesus em seus braços.
Sobre a origem da veneração àquela imagem, a tradição conta que a 2 de agosto de 1635, uma mestiça índia idosa, chamada Juana Pereira, saindo em busca de lenha seca no monte, viu sobre uma rocha uma imagem de Maria Santíssima com o Menino Jesus nos braços. Surpreendida ante achado tão inesperado, tomou a imagem com cuidado e a escondeu em sua casa. Voltando no dia seguinte ao mesmo monte, teve grande espanto ao ver que a imagem encontrava-se no mesmo lugar onde a havia encontrado. Resolveu, então, levá-la novamente para sua casa e a guardou. No dia seguinte o fato repetiu-se, indo ela contar o sucedido ao sacerdote, o qual pediu-lhe que trouxesse a imagem até ele.
Assim o fez; porém, a imagem desapareceu novamente da casa do sacerdote e voltou a ser reencontrada no mesmo monte. Logo a notícia do fato maravilhoso se espalhou e decidiram levar a imagem até à paróquia. O resultado é que a devoção àquela imagem logo se espalhou pela região, sendo chamada de Nossa Senhora dos Anjos, pois o fato se dera exatamente na data em que a Igreja celebrava a festa de Nossa Senhora dos Anjos. Dali a alguns dias a imagem despareceu novamente e foi encontrada no mesmo local do monte onde originalmente a mestiça índia a havia achado. Compreenderam todos, então, que seu desejo era ser venerada naquele lugar e procuraram Lhe erigir um templo dedicado a Ela.
A imagem, talhada em pedra do lugar, é muito pequena, medindo aproximadamente 3 polegadas. Nossa Senhora leva o Menino Jesus no braço esquerdo, no qual recolhe graciosamente as pregas do manto que a cobre desde a cabeça. Seu rosto é arredondado e doce, seus olhos são do tipo oriental (a mesma forma da Virgem de Guadalupe) e sua boca pequena e delicada.
A Virgem é mostrada atualmente para a veneração dos fiéis num formoso ostensório de metais nobres e pedras preciosas, com bonito resplendor ao seu redor, o que aumenta visualmente seu tamanho. Do pé desta “custódia” sai uma flor de lírio rematada pelo Anjo que sustenta a imagem de pedra. Da imagem só fica visível os rostos d’Ela e do Menino Jesus, haja vista que um manto preciosa os protege e embeleza.
“La Negrita”, como é chamada com carinho pelos costarriquenhos, foi coroada solenemente como Patrona daquele país no dia 25 de abril de 1926. Em 1935 o Papa Pio XI elevou o Santuário da Rainha dos Anjos á dignidade de Basílica.

Do Blog
A Família Católica:



Realizam-se hoje, terça-feira, em Cartago, Costa Rica, as celebrações conclusivas pelos 375 anos da descoberta da imagem de Nossa Senhora de Los Angeles, Padroeira do país: a liturgia será presidida pelo Arcebispo de Monterrey, enviado especial do Santo Padre, Cardeal Francisco Robles Ortega.A recorrência esteve ao centro de um “Ano Santo Jubilar Mariano” com o lema “Sempre sob sua proteção”, iniciado no dia 18 de julho de 2010 com a abertura da “Porta Santa” da Basílica de Nossa Senhora de Los Angeles, em Cartago; marcado por muitas atividades espirituais, em particular liturgias, novenas e peregrinações, o Jubileu foi um tempo de graça e de renovação para o Povo de Deus na Costa Rica, durante o qual os fiéis foram capazes de aprofundar e fortalecer as suas raízes cristãs e a devoção à Virgem Maria. A imagem de Maria com o Menino, encontrada em 1635 pela indígena Juana Pereira em Puebla de los Pardos (Cartago), imediatamente despertou a veneração da população, que em 1639 Lhe dedicou uma primeira capela, substituída ao longo dos séculos por edifícios maiores, até a atual Basílica iniciada em 1912. Por causa de seu o pequeno tamanho e traços escuros do rosto, a imagem é familiarmente chamada de "Negrita" pelos costarriquenhos. Em 1824 o parlamento nacional declarou Nossa Senhora de Los Angeles “Padroeira da Costa Rica”, um ato que foi seguido pela coroação pontifícia concedida em 1926. A Diocese de Cartago foi erguida em 2005 pelo Papa Bento XVI e ainda é guiada pelo seu primeiro pastor, Dom José Francisco Ulloa Rojas. (SP)

Comemorações pelo dia de São Joaquim e Sant'Ana




No Brasil, uma das mais tradicionais comemorações em honra da avó de Nosso Senhor Jesus Cristo é a Festa de Sant'Ana de Caicó (RN), que atrai milhares de fiéis àquela cidade. Milhares de devotos participam da procissão de abertura, saindo da catedral e percorrendo as ruas da chamada "capital do Seridó", até retornar ao templo religioso, onde é hasteado o estandarte de Sant'Ana, que permanece lá até o fim da festa. Curiosamente, como ocorre em outros lugares, as comemorações não se referem a São Joaquim, festejado no mesmo dia.
A Festa de Sant'Ana naquela cidade se efetua há 263 anos, sempre com 11 dias de duração e terminando no primeiro domingo após o dia 26 de julho, que é o dia principal da Festa. Devido a sua dimensão e importância econômica e cultural para Caicó, a festa foi a primeira manifestação cultural/religiosa do Rio Grande do Norte a ser considerada Patrimônio Imaterial do Brasil, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).
Nas ações religiosas, a Paróquia de Sant'Ana celebra, durante o período da festa, novenas e duas missas diárias, além de batizados e confissões individualizadas. A programação foi encerrada este ano no domingo (dia 31), com procissão às 15h.
Os pontos altos da festa são sempre a tradicional Feirinha de Sant'Ana, que ocorreu este ano na última quinta-feira (dia 28), e o Baile dos Coroas, realizado na sexta-feira (29). Nas duas ocasiões, caicoenses e turistas de dentro e fora do Rio Grande do Norte têm a oportunidade de conhecer mais da cultura local e se divertir com figuras ilustres do município, mostrando o porquê da Festa de Sant'Ana continuar por tanto tempo como a principal atração turística e religiosa do Seridó, uma das maiores regiões do Rio Grande do Norte.

Comemorações em Salvador (BA)
Em razão desta data especial, a Arquidiocese de Salvador realizou em suas paróquias dedicadas à Santa, desde a semana que antecede o dia festivo, uma série de atividades celebrativas.
Na paróquia Sant'Ana do bairro do Rio Vermelho, de 17 a 25 de julho, as novenas foram realizadas na igreja local e as celebrações em homenagem à Santa na Igreja Matriz da cidade. O destaque destas festividades ficou por conta da participação do arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, na novena do dia 24.
No dia 26 de julho, houve uma procissão pelas ruas do bairro com a imagem de Senhora Sant'Ana, seguida de missa solene presidida pelo bispo auxiliar da Arquidiocese de Salvador, Dom Gregório Paixão.
Na paróquia Santíssimo Sacramento e Sant'Anna, no bairro de Nazaré, as comemorações foram realizadas através de um tríduo preparatório, nos dias 23, 24 e 25 de julho e de uma missa solene presidida pelo arcebispo primaz Dom Murilo Krieger, na Igreja Matriz, no dia da padroeira.












Vídeos sobre a Festa em Caicó (RN)

p








A Festa em Mogi das Cruzes (SP), onde Sant'Ana é também a Padroeira




Sanctuaire Sainte-Anne-de-Beaupré Quebec (Canadá)





Portal de Santa Ana
Uma das mais ricas obras escultórias do estilo gótico, encontra-se na Catedral de Notre Dame, de Paris: o Portal de Sant’Ana. É o portal da direita e vem da época do início da construção da catedral; e terá sido no início possivelmente pensado para um dos braços do transepto. Veja no vídeo abaixo, a maravilha de arte com dezenas de imagens esculpidas na pedra, uma característica do gótico.
Em arquitetura, tímpano é um espaço geralmente triangular ou em arco, liso ou ornado com esculturas, limitado pelos três lados do frontão, por um ou mais arcos ou por linhas retas que assenta sobre o portal de entrada de uma igreja, catedral ou templo.
No “tímpano” vemos a representação da Virgem Maria com o Menino Jesus, onde transparece ainda uma forte ligação à escultura do românico tardio. Na proximidade da Virgem está um rei ajoelhado, que se crê ser o rei Luís VII e na frente deste um bispo, que poderá ser o impulsionador da construção da catedral, o bispo Maurice de Sully.
Destaca-se também a arquitrave, que é uma trave horizontal que se apoia em duas ou mais colunas, cuja origem remonta à arquitetura clássica, mas que continuou presente em quase todos os estilos dela derivados.
Possui dois níveis: a banda superior, que data do final do século XII, tem cenas da vida de Maria Santíssima; e a inferior, do início do século XIII, retrata cenas da vida de Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria.