SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA
São José de Anchieta

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

O PENSAMENTO PLINIANO NA MÍDIA ESCRITA (XIV)

COMUNISMO

“Se Joseph de Maistre disse com razão que a Revolução Francesa foi satânica, pode-se dizer com maior razão que a guerra de classe promovida pelo comunismo internacional é a explosão universal daquilo que, na Revolução, havia de mais caracteristicamente diabólico”
( "Legionário", 09.03.38).

“O acordo de Munique assinalou, incontestavelmente, o crepúsculo dos demônios de Moscou. É a era do diabolismo ateu e anárquico que expira lentamente, como na epopéia wagneriana expirava em lento e inexorável crepúsculo a era das divindades germânicas”.
( "Legionário", 09.03.38).

“A própria Revolução Francesa, tão sinistra e tão sanguinária, parece-nos hoje uma avó tímida e acanhada da Revolução comunista, a tal ponto as cenas de sangue da Espanha e do México excedem em violência às de 1789, e a tal ponto a doutrinação comunista ultrapassa, em furor destrutivo, a dos revolucionários franceses".
(Legionário, 19.2.39).

“Tem sido observado que o comunismo tem algo de insondavelmente misterioso. Parece-me normal tal nota enigmática na seita vermelha. Constitui esta um sumum de impiedade e de pecado, emanado das profundezas mais negras do próprio mistério da iniqüidade”
(Artigo “O incólume” – Folha de São Paulo, de 07.12.69).

Nenhum comentário: