SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA
São José de Anchieta

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Pio XII teria exorcizado Hitler

Por ocasião da comemoração do jubileu da morte de Pio XII, ocorrido em outubro do ano passado, o Papa Bento XVI e o teólogo relator do processo de beatificação de Pio XII, Peter Gumpel, fizeram importantes declarações à Rádio Vaticano a respeito de controvérsias que andavam circulando sobre o papa Pacelli. Agora, o jesuíta volta ao tema de Pio XII, desta vez para afirmar que o mesmo fizera vários exorcismos de Hitler no tempo da guerra, embora seja inusual se fazer exorcismos à distância. Vejam as duas notícias:
CONGRESSO DE FUNDAÇÃO JUDAICA REABILITA PIO XII

Cidade do Vaticano, 18 set 2008
(RÁDIO VATICANO) - Bento XVI recebeu esta manhã em Castel Gandolfo os participantes do Simpósio promovido pela Fundação Pave the Way (Preparar o Caminho) sobre o Servo de Deus Pio XII.

A Fundação Pave the Way foi fundada pelo judeu-norte-americano Gary Krupp para favorecer as relações e o diálogo entre as religiões. No discurso que pronunciou, Bento XVI lembrou “o alto perfil humano e espiritual” de Pio XII que, com coragem, não poupou esforços para salvar o maior número possível de judeus.

“Conquistam-nos a exemplaridade de sua vida e a riqueza extraordinária do seu ensinamento, disse o Santo Padre, referindo-se a esse papa que viveu “o período difícil do século passado que gira em torno da Segunda Guerra Mundial”. “Nem sempre foram devidamente focalizados os verdadeiros aspectos da sua multiforme ação pastoral”, explicou o papa ao falar aos participantes do Simpósio que se concluiu nesta quarta-feira em Roma e que tinha como finalidade principal apresentar “toda a documentação inédita baseada nas declarações de testemunhas oculares, a qual desmente as acusações feitas a Pio XII de indiferença, anti-semitismo e conivência com os regimes totalitários”.

“Analisastes sem preconceitos os acontecimentos da história, com a única preocupação de procurar a verdade”, ressaltou o papa, lembrando “a incansável ação pastoral e humanitária de Pio XII”.

Bento XVI explicou que o 50º aniversário da morte do papa Eugenio Pacelli, ocorrida em 9 de outubro de 1958, é “uma oportunidade importante para aprofundar o seu conhecimento, para meditar sobre o seu rico ensinamento e para analisar exaustivamente a sua ação”. “Muito se escreveu e se falou sobre ele nestas 5 décadas e nem sempre foram devidamente focalizados os verdadeiros aspectos da sua multiforme ação pastoral”.

O papa destacou ainda a “sabedoria humana e a tensão pastoral que guiaram Pio XII no seu longo ministério e, de modo particular, na organização das ajudas ao povo judaico”. Graças ao “vasto material recolhido pela Fundação Pave the Way” – ressaltou o Santo Padre – o Simpósio ofereceu à opinião pública “a possibilidade de conhecer melhor e mais exaustivamente o que Pio XII promoveu e realizou a favor dos judeus perseguidos pelos regimes nazista e fascista”.

“Fica-se sabendo, então, que Pio XII não poupou esforços, onde quer fosse possível, para intervir diretamente ou através de instruções dadas a pessoas ou a instituições da Igreja católica a favor dos judeus”, disse Bento XVI, ressaltando que o Simpósio evidenciou “as não poucas intervenções que o papa realizou, de modo secreto e silencioso, precisamente porque, considerando as situações concretas desse momento histórico complexo, somente assim era possível evitar o pior e salvar o maior número possível de judeus”.

Uma dedicação corajosa e paterna que, aliás, foi reconhecida e apreciada durante e depois do tremendo conflito mundial pela comunidade e personalidades judaicas, que não deixaram de manifestar gratidão, explicou o papa, ao lembrar “o encontro que Pio XII teve, em 29 de novembro de 1945, com os 80 delegados dos campos de concentração alemães, que, numa audiência especial que lhes foi concedida no Vaticano, quiseram agradecer-lhe pessoalmente pela generosidade do papa demonstrada para com eles, perseguidos durante o terrível período do nazi-fascismo”.

Bento XVI concluiu o seu discurso com uma saudação toda especial aos membros da Fundação Pave the Way, pala sua ação incessante em favor das relações e do diálogo entre as várias religiões, e com um agradecimento, em particular ao seu presidente, Gary Krupp.

Sobre a obra para fazer emergir a verdade histórica sobre Pio XII, a Rádio Vaticano entrevistou o padre jesuíta Peter Gumpel, relator da causa de beatificação do papa Pacelli:

Peter Gumpel – “Os fatos foram publicados. Eu mesmo dei inúmeras entrevistas. Foram publicadas muitas coisas sobre o pontificado do Pio XII. Para quem quisesse ler, reportaram tudo o que ele fez para salvar centenas de milhares de judeus. Todo o material está aí. Alegra-me muito que uma organização não católica, não sectária faça muito pela paz entre os povos, entre as várias facções que estão em luta e também entre as várias religiões, e o faça por iniciativa própria, e não por iniciativa da Igreja católica, neste projeto de dar mais publicidade ao que Pio XII realmente fez. Os fatos que foram relatados não são novos, mas não são conhecidos ou são ignorados. Portanto, esta é uma ótima iniciativa que apóio de todo o coração, precisamente porque fui juiz de investigação e relator nomeado por João Paulo II para a Causa de beatificação do papa Pio XII. Estudei por muitos anos estas coisas, conheço-as e sempre me admirou que não se queiram reconhecer certas coisas. Isto vale de modo especial para o famoso museu Yad Vashem, em Jerusalém, onde se encontra exposta uma fotografia de Pio XII, não como criminoso de guerra, mas como uma pessoa que nada fez, com inscrições realmente ofensivas para nós católicos”.

P. – Padre, que inscrições são estas?
Peter Gumpel. – “As inscrições dão a impressão que Pio XII não fez nada, que era um político e não queria chocar-se com os nazistas... Todas estas coisas, frase por frase, são erradas. E não é opinião só minha. O historiador judeu mais famoso, um britânico, sir Martin Gilbert, que os próprios judeus consideram como o historiador mais competente da Shoa, do Holocausto, ficou ali indignado. Por ocasião do Simpósio de Roma, ouvimos uma entrevista sua, na qual diz que todas as frases ali escritas são uma falsificação da história.

PIO XII TERIA FEITO EXORCISMOS CONTRA HITLER

A notícia está em "Religion en libertad"

Os exorcismos teriam sido feito no período da última guerra. Como só se fala em exorcismo quando se trata de expulsar demônios de pessoas notoriamente possessas, muitos podem estranhar que o Papa tenha feito exorcismo de um chefe político que não demonstrem claramente sinais de possessão. Sabe-se, porém, que há vários tipos de possessões, e a de Hitler, embora não fosse muito clara, era evidente por causa de sinais evidentes. No referido exorcismo o Papa invocava a Deus para que libertasse aquela pessoa da influência diabólica que sofria o Führer. Estes detalhes foram revelados pelo relator do processo de beatificação de Pio XII, o jesuíta Peter Gumpel, no decorrer de uma mesa redonda realizada com o senador Giulio Andreotti sob o tema "Pio XII, construtor da paz", em Roma. Segundo Gumpel, quem revela tais dados é uma fonte fidedigna, a irmã Pascalina Lehnert, que declarou isto sob juramente durante o processo de beatificação do Servo de Deus. Segundo Gumpel, o cardeal alemão Michael von Faulhaber e outros bispos estavam convencidos de que Hitler estava endemoninhado. Foram estas convicções, e ação nefasta do Führer contra a Religião, que motivaram o Papa a realizar os exorcismos.

Nenhum comentário: