SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA
São José de Anchieta

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

O Corpo Místico e a "guerra" da mídia

A propósito da propalada renúncia do Papa Bento XVI, fazemos nossas as palavras do Dr. Plínio Corrêa de Oliveira sobre o Papado, embora tenham sido escritas em época diferente (o Papa então reinante era Pio XII) e a respeito de problemas diversos dos atuais. No entanto, muito do que ele escreveu vale também para os dias de hoje, pois os princípios que envolvem o Papado são os mesmos.

 

Jornal "Legionário", da Arquidiocese de São Paulo, de 16 de abril de 1944


A GUERRA E O CORPO MÍSTICO


 

(...)Não obstante o inexplicável silêncio das agências telegráficas sobre essa obra magnífica da Santa Sé, os católicos sabem que o Sumo Pontífice, pela oração, pela penitência e pela ação faz tudo quanto está ao seu alcance em prol da Igreja e da humanidade. O Vaticano não precisa anunciar em termos superlativos e bombásticos todas as ações do Pontífice Romano, para alimentar sempre viva a confiança das massas no Chefe visível da Igreja. Entre os fiéis e o Sucessor de São Pedro há o íntimo conhecimento que vai do Pai para os filhos, dos filhos para o Pai. Conhecemos muito bem o Papa, conhecemos de sobra a Santa Igreja, e não precisamos que nos digam quem é o Papa, nem o que faz o Papa, para que o saibamos. Quem é o Papa? O Vigário de Jesus Cristo. O que faz? Seu dever. Quem nô-lo atesta? As próprias funções que exerce. E ainda que sobre ele fossem absolutamente mudas as notícias telegráficas de costume tão parcimoniosas, com isto não se alteraria a plácida e imperturbável confiança dos católicos no Pai comum da Cristandade. Por mais que o homem contemporâneo aprecie o charlatanismo, os adjetivos sensacionais, a terminologia hiperbólica, o Vaticano jamais empregará esses processos para obter a confiança e o respeito dos homens. Ele continuará, simplesmente, a fazer o bem com discrição e dignidade, negligenciando a fronda silenciosa e passiva das agências telegráficas, certo de que nada disto é necessário - ao menos no sentido mais estrito da palavra - para manter unidas a ele as almas nas quais habita verdadeiramente o Divino Espírito Santo.

Se o LEGIONÁRIO publica hoje um tão extenso noticiário sobre a ação benfazeja do Sumo Pontífice, fá-lo muito menos a título de informação que de meditação. Sabemos que é muito o bem que o Papa faz. Mas é preciso, no momento atual, que vejamos, que sintamos, apalpemos este bem, para que nossos corações de filhos sintam de modo mais afetuoso e intenso o magnífico quadro que a Cristandade oferece aos olhos tristes e cansados do homem do século XX: pelos quatro cantos da terra se estende a solicitude paternal do Romano Pontífice, e dos quatro cantos da terra estão afluindo para ele as manifestações de dor, de afeto, de solidariedade do mundo cristão, provocadas pela situação dolorosa e crítica em que tão imerecidamente ele se encontra. Esse fluxo é refluxo de amor do Pai aos filhos, dos filhos ao Pai, é um comentário vivo e magnífico da recente Encíclica "Mystici Corporis Christi", na qual o Vigário de Cristo lembrou que a Santa Igreja constitui um corpo animado por uma vida sobrenatural que a todos une, fiéis e Pastores, na mesma comunhão da graça, que é dom do Espírito Santo.

Considerada à luz da Sagrada Teologia, esta cena que a Cristandade oferece presentemente ao nosso mundo tão cheio de trevas e de ódio é realmente maravilhosa. Ninguém, nem o Papa nem os fiéis, pode fazer um só ato meritório, sem a graça do Espírito Santo. É o Espírito Santo, pois, que move o Papa a estender sobre o orbe terrestre inteiro, sua ação paternal. É o Espírito Santo que trabalhando misteriosamente no íntimo de cada uma das pessoas beneficiadas pela ação do Pontífice - católicos, protestantes, cismáticos, judeus, nazistas, comunistas, ateus - desperta em todos um sentimento de gratidão filial que move os bons a um ardor maior, os infiéis a uma simpatia cheia de esperanças para a Igreja de Cristo, e os inimigos a um sentimento de maior brandura para com o Catolicismo. E, reciprocamente, no mundo inteiro, na Austrália como na Irlanda, em Nova York como em Montevidéu, no Amazonas como no arroio Chuy, o Espírito Santo move os Bispos a protestarem contra a situação do Soberano Pontífice, e os fiéis a se associarem calorosamente neste protesto, a seus legítimos Pastores. A efusão de amor sobrenatural é, pois, recíproca no grande e místico corpo da Igreja. Este amor une verdadeiramente na Jerusalém nova que, segundo a profecia bíblica é a Igreja, todos os povos da terra, filialmente solidários com o Pai comum, com aquele que com tanta razão Santa Catarina de Siena chama "o doce Cristo na terra", isto é o Sucessor de São Pedro.

* * *

Ubi Petrus, ibi Ecclesia - onde está São Pedro, aí está a Igreja. De tal maneira a Igreja Católica está vinculada à Cátedra de São Pedro, que onde não há a aprovação do Papa não há Catolicismo. O verdadeiro fiel sabe que o Papa resume e compendia em si toda a Igreja Católica, e isto de modo tão real e indissolúvel que, se por absurdo todos os Bispos da terra, todos os sacerdotes, todos os fiéis abandonassem o Sumo Pontífice, ainda assim os verdadeiros católicos se reuniriam em torno dele. Porque tudo quanto há na Igreja de santidade, de autoridade, de virtude sobrenatural, tudo isto, mas absolutamente tudo sem exceção, nem condição, nem restrição está subordinado, condicionado, dependente da união à Cátedra de São Pedro. As instituições mais sagradas, as obras mais veneráveis, as tradições mais santas, as pessoas mais conspícuas, tudo enfim que mais genuína e altamente possa exprimir o Catolicismo e ornar a Igreja de Deus, tudo isto se torna nulo, maldito, estéril, digno do fogo eterno, e da ira de Deus, se separado do Romano Pontífice. Conhecemos a parábola da videira e dos sarmentos. Nessa parábola a videira é Nosso Senhor, os sarmentos são os fiéis. Mas como Nosso Senhor se ligou de modo indissolúvel à Cátedra Romana, pode-se dizer com toda a segurança que a parábola seria verdadeira entendendo-se a videira como a Santa Sé, e os sarmentos como as várias dioceses, paróquias, ordens religiosas, instituições particulares e famílias, povos e pessoas que constituem a Igreja e a Cristandade. Isto tudo só será verdadeiramente fecundo na medida em que estiver em íntima, calorosa, incondicional união com a Cátedra de São Pedro.

"Incondicional", dissemos, e com razão. Em moral, não há incondicionalismos legítimos. Tudo está subordinado à grande e essencial condição de servir a Deus. Mas uma vez que o Santo Padre é infalível, a união a seu infalível magistério pode ser incondicional.

A simples hipótese de um erro no magistério infalível já é uma heresia. Podemos ser incondicionais no apoio do que é infalível. Sim, estamos incondicionalmente com o Sumo Pontífice.

Por isto, é sinal e condição de vigor espiritual uma extrema susceptibilidade, uma vibratilidade delicadíssima e vivaz dos fiéis por tudo quanto diga respeito à segurança, glória e tranqüilidade do Romano Pontificado. Depois do amor a Deus, é este o mais alto dos amores que a Religião nos ensina. Um e outro amor se confundem até. Quando Santa Joana D’Arc foi interrogada por seus perseguidores que a queriam matar, e que para isto procuravam fazê-la cair em algum erro teológico por meio de perguntas capciosas, a um de seus interrogadores ela respondeu: "Quanto a Jesus Cristo e à Igreja, para mim são uma só coisa". Magnífica proclamação do Corpo Místico de Cristo, partida da sábia ignorância da pequena pastora de Domremy. E nós podemos dizer: E para nós, entre o Papa e Jesus Cristo não há diferença". Tudo que diga respeito ao Papa diz respeito direta, íntima, indissoluvelmente, a Jesus Cristo.

* * *

É preciso bem lembrar tudo isto, para tornar claro que as manifestações da opinião católica - e sobretudo as orações - em favor do Santo Padre devem continuar vibrantes e ininterruptas. Não se diga que, sendo todos nós católicos, é evidente que estamos com o Papa e que não é necessário que o manifestemos. Os sentimentos muito profundos criam uma verdadeira necessidade psicológica de expansão. Se amamos nossos pais, temos necessidade de lho dizer a todo instante, e especialmente quando estão em risco ou perigo. Os filhos solícitos da Santa Sé devem dirigir todos ao Sumo Pontífice suas calorosas e veementes manifestações de solidariedade neste momento. E, para isto, os meios são muito simples. Existe no Brasil um elo de ouro que nos liga ao Pontífice Romano. É o Núncio Apostólico, delegado pela paternal solicitude da Santa Sé, junto a nosso país, para tornar bem constante, bem viva, bem intensa a manifestação dessa solicitude do povo brasileiro. Por toda a parte os Exmos. Revmos. Srs. Bispos se estão dirigindo à Santa Sé para lhe atestar a solidariedade filial nesse transe doloroso. Devemos seguir o exemplo de nossos Pastores, e, não podendo telegrafar à Europa, devemos, às centenas, aos milhares, às centenas de milhares telegrafar à Nunciatura Apostólica, exprimindo ao ínclito representante do Santo Padre todos os sentimentos da opinião católica brasileira nessa emergência dolorosa em que se encontra no momento. A nosso ver, o setor de Ação Católica, a associação religiosa que não tiver telegrafado à Nunciatura Apostólica não pode estar contente consigo mesma. Há um dever inadiável que ela tem de cumprir o quanto antes. Quando algum dia estas mensagens chegarem até os pés do Soberano Pontífice, ele verá que São Paulo foi nesses dias uma só alma e um só coração em torno dele. O Pontífice sorrirá certamente de complacência e ternura e nos abençoará. Esse sorriso e essa bênção serão o próprio sorriso, a própria bênção de Jesus.





Nenhum comentário: