SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA
São José de Anchieta

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

A BATALHA DE VALVERDE E A AÇÃO ANGÉLICA DIRIGINDO O SANTO CONDESTÁVEL DE PORTUGAL



A 06 de novembro comemora-se a festa do maior herói de Portugal, o famoso Condestável São Nuno de Santa Maria, ou simplesmente São Nun’Álvares Pereira. Relatamos abaixo uma de suas mais grandiosas vitórias, na Batalha de Valverde,relembrada neste mês de outubro (14.10.1385), que foi ganha graças a um Anjo que lhe guiou.
Enquanto o rei de Portugal, Dom João I, partia para o norte a fim de consolidar suas conquistas e se firmar na posse de seus domínios, São Nuno seguiu em direção contrária, a fronteira, onde era necessário alguém como ele para manter os castelhanos longe de seus propósitos de invasão. Era a fronteira o local mais difícil, onde os próprios nobres portugueses viviam, ora indeciso ora propensos a apoiar o inimigo. Indo para lá, São Nuno teria condições de manter os limites geográficos e étnicos de seu país. Seu ímpeto guerreiro não se contentava, agora, em ficar na defensiva; por isso, partiu para invadir o território inimigo, a fim de demonstrar aos castelhanos que Portugal agora tinha um exército e um Condestável invencível no seu comando.
E a situação havia mudado. Seu exército agora era composto de mais de mil lanças, com mais de dois mil peões e besteiros. Avançou intimorato pela fronteira a dentro e, quando se deu conta, já havia avançado mais de vinte léguas em território inimigo, no coração da Estremadura. No entanto, ele sabia que estava sendo espionado e que encontraria batalha mais adiante.  Quando chegam em Vila Garcia, encontram o castelo vazio, pois todos os seus defensores haviam fugido apavorados. Aproveitou e mandou seus homens confraternizarem-se com a população.
Percebendo que o inimigo não tinha coragem de enfrentá-lo, resolveu ir mais adiante: fazer uma romaria em Santa Maria de Guadalupe com seus homens. Parecia que toda a Castela lhe era dócil e lhe pertencia. De repente, ouviram o soar de trombetas. Todos se sobressaltaram, pensando que finalmente o inimigo vinha para o combate. Mas, não. Era apenas um arauto que se aproximava. Vinha da parte do senhor "Barbuda", o Mestre de Alcântara, sobraçando um feixe de varas. Cada vara era o símbolo de uma espada. O arauto ajoelhou-se humildemente e transmitiu a mensagem:
- Senhor Condestável: o mestre de Santiago, Dom Pedro Muñoz, meu amo, ouvindo dizer que estais em sua terra e lhe fazeis estragos nela, vos manda desafiar e vos envia esta vara.
São Nuno recebeu a vara da mão do arauto e respondeu:
- Sede bem-vindo com tais novas.
Mas o arauto continuou:
- Senhor Condestável: o conde de Niebla, Dom João Afonso de Guzmán, ouvindo dizer como andais na terra de el-rei, seu senhor, roubando e destruindo como não deves, vos envia esta vara.
Nova vara foi entregue a São Nuno. O Condestável recebia a vara com a mão direita e passava para a esquerda, num ato solene e grave. Desta vez, nada respondeu, mas esperou que o arauto continuasse.
- Senhor Condestável: o Mestre de Calatrava, Dom Gonçalo Nuñez de Guzmán, sabendo como entras pela terra de el-rei seu senhor, para prejudicar e destruir, vos manda desafiar e vos envia esta vara.
Desta forma, a cena continuou, com o arauto entregando todas as varas que trazia, cada uma representando um poderoso senhor de Castela. O molho de varas era grande, o que poderia causar arrepios ou mesmo terror entre os portugueses.  Mas nada disto ocorreu. São Nuno permaneceu com seu semblante sério a manifestar tremenda frieza.  Quando o arauto terminou de entregar a última vara, São Nun'Álvares lhe responde segurando o feixe na mão esquerda:
- Amigo meu, sede bem-vindo com as novas que trazeis. Nada mais me podia alegrar tanto como essas do desafio. Dizei-o ao seu senhor.
Em seguida, o Condestável volta-se para os seus homens e diz:
- Vedes, amigos, como é certo o que eu vos dizia estes dias? Que o Mestre, meu senhor e meu amigo, não me havia de deixar passar sem nos fazer guerra? Ora, é mister que estejamos prontos para ela. Quem tão boas novas nos trouxe, razão é que tenha boas alvíssaras...
Mandou dar ao arauto cem dobras de ouro, dizendo-lhe:
- Dizei ao Mestre, meu senhor e meu amigo, e aos senhores que com ele estão, quanto lhes agradeço os seus desafios... e mais ainda estas varas, com as quais brevemente os vergastarei...
Para dar mais ênfase à suas palavras, pegou algumas varas e começou a brandi-las açoitando o vento. Em seu semblante, todos percebiam o quanto estava alegre com aqueles gestos.  Aquela ironia tinha duplo efeito: primeiro causar mais terror ao inimigo, notando-o tão dono de si; e em segundo lugar, mostrar aos seus homens que não tinha nenhum medo das bravatas do arauto.
São Nuno não tinha nenhum receio, nenhuma dúvida de que venceria todos os castelhanos juntos que lhe viessem dar batalha. A sua fé, antes de Aljubarrota, era feita de esperança.  Agora era uma certeza bem sedimentada, firme, irredutível de que Deus lhe daria a vitória. Esta certeza era baseada numa Fé autêntica e inabalável.
Depois de aceitar os desafios, São Nuno não ficou parado, avançou mais ainda em território inimigo. Andou mais quinze léguas sem que sofresse combate. O Mestre de Alcântara seguia os invasores à distância, sem se atrever a enfrentá-los. Quando chegou às margens do rio Guadiana, São Nuno ali resolveu acampar.
Estava com o acampamento já terminado quando viu no alto a presença das forças inimigas. Passaram todo o dia vendo-se um frente ao outro, mas sem que ninguém tomasse a iniciativa do ataque. No dia seguinte, as forças portuguesas estavam melhor preparadas para o confronto, mas souberam que os castelhanos ainda esperavam reforços de Sevilha, de Córdoba, de Jaén, da Mancha e do reino de Aragão. E eles não faziam segredo dos reforços que estavam para vir e até usavam isto para tentar amedrontar o inimigo. Os poucos prisioneiros feitos pelos homens de São Nuno falavam destas forças com muita ênfase. Tais notícias seriam de molde a apavorar um ânimo que não fosse tão valoroso quanto o do Condestável.
A situação agora era inversa da batalha de Aljubarrota. Era São Nuno que tinha que forçar passagem entre os castelhanos, tendo que vencer uma posição bem entrincheirada de um exército superior em número e poder. Mas a hoste portuguesa, comandada pelo Condestável, compunha-se de homens aguerridos e submissos a seu capitão como se ele fosse o pai de todos, um homem predestinado por Deus e assistido por um poderoso Anjo.  O exército de Castela era brilhante, com armas novas e reluzentes, comandado por homens bem treinados e experientes, mas faltava-lhes o fator unidade, consistência, disciplina e amor aos comandantes por parte dos soldados.
A hoste de São Nuno formou-se em seu quadrado característico para se proteger.  Para melhor defender-se precisavam passar o rio naquele ponto, onde era raso. Mas quando se propunham a fazê-lo, viram-se de repente cercados de todos os lados pelo inimigo. Os ataques vinham de três direções, pela frente e pelos flancos, impelindo-os de costas contra o rio.  Mas, ao passá-lo, tinham a esperá-los na outra margem grossas tropas inimigas. Dir-se-ia que estavam perdidos.
Cerrado e inexpugnável, o quadrado português avançava compactamente, defendo-se como podia contra a nuvem de lanças, de setas, de pedras e de virotões.  Foram precipitados para o rio de roldão e, sem desfazer a ordem de batalha em que estavam, uma espécie de fortaleza ambulante, passaram o rio a vau, e na outra margem deram de cara com cerrada formação castelhana. Passado o rio, o cerco do inimigo cada vez mais se fechava como uma tenaz, mas os portugueses continuavam seu caminho em busca do local que o Condestável julgava ser adequada para um combate mais vantajoso.  Subiam paulatinamente a encosta próxima, procurando romper as forças adversárias, mas não o conseguiam.
O Condestável era a alma do exército português. Ia de um lado a outro, animando, combatendo, ora na vanguarda ora na retaguarda, sem nenhum esmorecimento, sem pedir nenhuma trégua. Era um homem que nada o abatia, permanecia firme, inabalável, intimorato e aguerrido, comandava naturalmente pela expansão de sua simpatia comunicativa.  Era como se fosse um rochedo em torno do qual se agarravam aquele milhar de homens para defender suas vidas.
O homem da guerra era também o homem místico, pois rezava constantemente quando estava em combate. Era comum ouvir as vozes angélicas que o orientavam nos combates, mudando constantemente de tática, fazendo-o ir vencendo aos poucos, cada centímetro, cada metro do terreno, em busca de um objetivo final. E isto só era obtido porque tudo para São Nuno tinha caráter religioso, tudo dependia da Providência divina, nada acontecia ao acaso, sem que os Anjos não tivessem alguma participação, principalmente naqueles momentos de batalha. Em pleno combate, sua face se iluminava com uma auréola de satisfação, respirava em todos os seus poros heroísmo e santidade. Era como se fosse o próprio Deus dos exércitos a se refletir numa pessoa humana.
Em dado momento, uma seta veio cravar-se em seu pé. Mesmo assim ferido, continuou animando e lutando, ora na retaguarda, ora na vanguarda.  Numa destas intervenções, gritaram da retaguarda que o inimigo estava ganhando aquele setor. Foi para lá o grande herói, postou-se na frente de seus homens, mesmo com o pé ferido, e após breve combate conseguiu repelir a investida inimiga e arrumar a defensiva novamente.  Da mesma forma que veio auxiliar os seus naqueles momentos, assim também partiu talvez para a vanguarda não se sabe.
O certo é que, de repente, o Condestável desapareceu da vista de seus homens. A hoste portuguesa não conseguia mais avançar, ficara ali estática, porque faltava quem os comandasse. Seu comandante simplesmente sumira, não o encontravam em lugar nenhum. Chamavam por Nun'Álvares para um lado e para o outro, mas ele não ouvia lhe chamar, não aparecia nos combates. Para onde fora? Teria morrido ou fugido? Estas cogitações eram impensáveis em seus homens, principalmente o da fuga.  Procuravam-no por toda a parte, aflitos, como quem busca o próprio pai na hora do desespero, em busca de auxílio..
De súbito, Rui Gonçalves depara-se com o Condestável. De joelhos, entre dois rochedos, estava em êxtase, com as mãos postas e os olhos voltados para o céu. Ao seu lado, sua montaria e o pajem segurando a lança e o braçal de seu senhor. Naquela angústia em que se encontrava, foi rezar a Deus quando um Anjo lhe aparece e o deixa fora de si na contemplação das maravilhas divinas.  Rui Gonçalves declarou posteriormente que o viu com a alma transportada para o céu falando com Deus. Ficou ali parado a contemplá-lo, temendo tirá-lo daquele embevecido êxtase. Aquela cena, onde o escudeiro e o amigo Rui ficavam pasmados em silêncio a contemplá-lo, contrastava completamente com o fragor da terrível batalha que se desenrolava nas proximidades.
Passado o primeiro espanto, Rui Gonçalves resolve agir e grita:
- Estamos perdidos!
São Nun'Álvares, meio saindo de seu êxtase, volta-se e diz:
- Rui Gonçalves, caro amigo, ainda não é tempo. Aguardai um pouco e acabarei de rezar.
Neste ínterim, outros companheiros também já o tinham encontrado e começaram a vituperar o Condestável. Um deles foi enfático:
- Nada de rezas, assim morreremos todos!
Quando seus homens começaram a chegar angustiados, São Nuno sai de seu êxtase. Ergue-se, firma-se nos pés, apura o ouvido e as vistas. Põe a mão sobre o ombro de seu alferes, Diogo Gil, aponta para o lado e diz:
- Vês as bandeiras que estão no cume daquele monte? A mais alta deve ser a do Mestre de Santiago.
- Vejo, meu senhor!
- Pois vamos lá com nossas espadas até junto dela! Amigos, avante! Que cada um de nós seja para quatro deles!
Aquelas bandeiras significavam que ali estavam os principais comandantes das tropas castelhanas. Provavelmente reuniam-se em conselho sobre os destinos da batalha. Num arroubo, os portugueses partiram para lá, guiados por São Nuno e sua espada sagrada, e num instante subjugaram todos eles. Vencidos os chefes, o resto foi facilmente entregue às mãos portuguesas.  Num só lance, todo o comando inimigo caíra em mãos do Condestável. Quando souberam do ocorrido, os castelhanos começaram a fugir, pois todas as tropas estavam agora sem comando.
O milagre aconteceu: os portugueses, em número inferior, dentro do território inimigo, venceram o poderoso exército castelhano. Tudo graças ao denodo, à coragem, ao idealismo de um Cavaleiro cristão, que dedicou toda sua vida à fé católica, e por isso foi avisado por um Anjo, em seu êxtase, de que deveria seguir aquele caminho que daria exatamente dentro do comando inimigo.
São Nun'Álvares foi com os seus dormir calmamente em Valverde, e  no dia seguinte seguiu viagem de retorno às suas terras. Após dezoito dias de campanha, havia conquistado muitas riquezas de seus inimigos. Muito maior, porém, foi a lição que dera aos castelhanos, com o intuito de inspirar-lhes medo e respeito. Quando chegou em Elvas, São Nuno reúne seus homens e distribui com eles todo o abundante saque que trouxera.
O reino de Castela em peso entrava em desespero por mais este desastre, causado por um homem que eles desdenhavam com menosprezo. O rei compareceu às cortes em Valadolid vestido de luto, ordenando que houvessem procissões e jejuns para reparar a vergonha e afronta sofrida.  O que mais afetava o orgulho castelhano era considerar que as derrotas haviam sido sofridas exatamente pelas humildes forças portuguesas. Envergonhava-os verem-se vencidos por este punhado de homens, que eles julgavam ser meros rebeldes a seu rei.

(Relato baseado no livro "A Vida de Nun'Álvares", de Oliveira Martins, Lello & Irmão - Editores, Porto, 1983).


Nenhum comentário: