SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA
São José de Anchieta

domingo, 18 de outubro de 2015

"Vade-Mecum" da esposa e mãe católica





Um exemplo bem marcante da educação religiosa que recebiam as jovens no decorrer do século XIX, principalmente aquelas de elevada posição, tivemos na Imperatriz Leopoldina. Não se trata de uma educação dada no Brasil, mas na culta e católica Áustria. No entanto, espelha a realidade de uma época, que se refletiria futuramente também entre nós. A arquiduquesa Leopoldina casou-se com Dom Pedro I e veio morar no Brasil, transformando-se na saudosa e querida Imperatriz. Após o seu falecimento foi encontrado entre seus pertences um livrinho de percalina vermelha com bordas de ouro, onde se lê os propósitos que ela, ainda noiva, fizera para sua futura vida de casada. O livrinho foi escrito em francês, contendo ainda a seguinte nota em alemão:
"Do dia 13 de maio, meu dia de casamento, em diante proponho-me:
1o. Reprimir a minha veemência, ser boa para com o meu pessoal a fim de acostumar-me à brandura e condescendência.
2o. Quero evitar todo pensamento menos casto, pois deste dia em diante pertenço ao meu marido.
3o. Quero esforçar-me com zelo por trabalhar no meu aperfeiçoamento.
4o. Quero aplicar todos os esforços para falar sempre a verdade".
O livro contém na capa as armas das Casas imperiais Habsburgo e Bragança (famílias reais de D. Leopoldina e D. Pedro I), e uma pintura expressando  o Evangelista São João oferecendo o sacrifício da Santa Ceia a Nossa Senhora.
Eis a versão integral do texto:

"Minhas resoluções - Viena 1817
Lembrai-vos! - Que tendes um deus a glorificar, Jesus a imitar e vossa alma a salvar (S. Mateus, XXII, 37-40).

Para todos os dias
1. Procurarei ter sempre uma hora determinada para me levantar e para me deitar, evitando o excesso de sensualidade durante o repouso.
2. Desde o despertar o meu primeiro pensamento será a lembrança da presença de Deus; minhas primeiras palavras serão: Ó Santíssima e adorável Trindade! Eu vos dou meu coração e minha alma, eu Vos adoro com todos os coros dos Anjos. Ó Jesus!  Meu Salvador! Tende piedade de mim! Minha primeira ação será o sinal da cruz, que farei então desta maneira: em nome do Pai, que me criou à Sua Imagem, e do Filho, que me remiu com seu sangue precioso, e do Espírito Santo, que me tem santificado.
3. Para começar o dia com um ato de mortificação me levantarei prontamente e convencida de estar inteiramente diante de Deus, vestir-me-ei com toda a modéstia possível. Se estiver fraca de saúde que eu não possa me levantar rápido, ocupar-me-ei dos santos exercícios de um cristão, que deve começar seu dia santamente.
4. Tomando água benta, que terei sempre em meu quarto, por-me-ei de joelhos perante meu crucifixo, e penetrada da presença de Deus rezarei com fervor minha oração matinal.
5. Farei todas as manhãs uma meditação sobre uma leitura espiritual.
6. Assistirei à Missa com modéstia e piedade exemplares, comungando sempre, nem que seja espiritualmente.
7. Após meus exercícios de piedade empregarei o resto do tempo em observar os deveres de meu estado, e dos cuidados que a ele estão ligados. Nada de despesas inúteis que desorganizam a economia; mas da esmola farei tanto quanto possível;  me reservarei daquilo que for frívolo para poder socorrer melhor os infelizes.
8. Farei muitas vezes atos de fé, de esperança e de caridade. Formarei sempre em meu coração tais sentimentos:  Ó meu Deus! Penetrada de Vossa infinita Majestade eu Vos adoro com os santos Anjos, que rodeiam Vosso trono. Jesus!  Meu Salvador! Uno-me a Vós em todas as minhas ações.
9. Aproveitarei todas as ocasiões, que se me apresentarem, para fazer atos de humildade, e mortificações exteriores e interiores. Me esforçarei do mesmo modo, no que for possível, para adorar Jesus Cristo em seus Santos tabernáculos, sobretudo em meu oratório, quando o Santo Sacramento estiver nele encerrado.
10. Farei minhas orações da noite como as da manhã, diante de uma imagem do Crucificado e da Santíssima Virgem, as quais terei sempre no meu quarto, e aí acrescentarei o exame especial de minha conduta do dia. Mudando a roupa modestamente na presença de Deus terminarei o dia com estas palavras: "Ó meu Jesus crucificado.  Recebei-me em Vossas Santas chagas. Sagrado  Coração de Jesus! Escondei-me no abismo de Vosso amor para passar esta noite sem Vos ofender.  Ó Maria, Mãe da Graça e da Misericórdia.  Eu me entrego com a maior confiança em Vossos Santos braços. Dai-me Vossa santa bênção maternal. Anjo da Guarda, eu Vos recomendo minha alma e meu corpo; Amáveis Padroeiros e Padroeiras! Bem-aventurados do céu! Rogai por mim, por meus amigos, por meus inimigos, por meus parentes e benfeitores e por todos os antepassados. Eu vos recomendo todos aqueles que caírem em agonia neste noite". Enfim, fazendo com devoção o sinal da cruz dormirei num pensamento cristão, após haver tomado água benta, que trarei sempre próxima de meu leito.

Para todas as semanas
Às sextas e sábados farei pequenas mortificações, como de me privar de qualquer coisa na refeição, ou de guardar o silêncio durante algum tempo ou de privar de uma distração;  entretanto, sem que ninguém note. Farei tais coisas para me lembrar particularmente daqueles dias da Santa Paixão de Nosso Senhor, e para me preparar melhor para comemorar os Domingos.

Para todas as Festas
Para lhes santificar evitarei tudo que possa lhes profanar; assistirei ao ofício divino e ao sermão com toda edificação, dedicando mais tempo à meditação e à leitura espiritual, sobretudo ao cumprir minha devoção. Abster-me-ei nos dias de festas de todos os prazeres, espetáculos, festins, etc., que possam profanar estes santos dias ou impedir sua santificação.  Não negligenciarei as obrigações que assumi como membro da Ordem da cruz estrelada[1], e observarei no que for possível os estatutos que são prescritos a todos os membros.

Para todos os anos
Terminarei o último dia do ano com uma revisão geral de minha conduta; farei com ardor a preparação para a morte segundo orientação de meu Diretor de consciência, e lerei de novo minhas resoluções para gravá-las mais tempo no coração e no espírito.

Para todos os tempos
1. Conservarei no meu coração as boas instruções que tenho recebido de meus parentes e das pessoas encarregadas de minha educação.
2. Terei sempre que for possível um confessor, ao qual obedecerei com exatidão e que o consultarei sempre nas coisas que concernem a minha salvação.
3. Evitarei todas as leituras que sejam contrárias à minha Santa Religião, que ferem a delicadeza da consciência e que excitem à sensualidade ou uma paixão qualquer.
4. Jamais o respeito humano me impedirá de me declarar abertamente pela Santa Religião Católica;  empregarei, ao contrário, todos meus esforços e todas minhas rendas supérfluas para a propagar, para construir ou decorar as igrejas, sobretudo para sustentar os Institutos que se consagrem á educação da juventude ou que faça profissão de assistir os necessitados.
5. Meu coração será eternamente fechado ao espírito perverso do mundo; assim, bem longe de mim os gastos inúteis, o luxo nocivo, os adornos indecentes e as mundanidades e vestimentas escandalosas. Minha virtude tão necessária será sempre a modéstia para conservar a pureza de meu coração, sem a qual jamais agradarei a Deus.
6. Não me cansarei de combater minhas paixões, começando pela dominante, e para lhes destruir mais rápido voltarei contra elas todas as armas espirituais: a vigilância sobre meu coração e sobre meus sentidos, o exame quotidiano, a contrição e a penitência depois de cada queda, a leitura, a meditação, a freqüência usual ao Santíssimo Sacramento, as orações fervorosas, enfim, a invocação dos santos, que se destacaram na virtude oposta ao vício que quero destruir.
 7. Principiarei todas as ações na presença de Deus, unindo-as às de Jesus Cristo, mesmo aquelas que me sejam agradáveis, como o beber e o comer, o repouso, as recreações e divertimentos. Vigiarei que a sensualidade e o amor próprio não me roubem o mérito, mas que seja santificado por coisas sobrenaturais.
8. Na conversação falarei com muita prudência, para não falar muito, e para não ficar calada, que possa ferir a verdade, a caridade, e a modéstia; e se outros começarem conversas contrárias a essas virtudes, que não possa evitar ou impedir, eu farei ao menos com meu olhar um imperioso respeito, e pelo silêncio o desprazer que tenho nisso.
9. Lembrar-me-ei sobretudo das promessas que fiz no dia de meu casamento perante a Igreja e das obrigações ali contraídas. Guardarei inviolavelmente a fidelidade devida a meu marido e evitarei todas as familiaridades com as pessoas de outro sexo. Deus me guarde de estar jamais a sós com outro homem, por mais sábio que pareça, num local ermo; não terei amigos que não sejam pessoas virtuosas.
10. Se a Providência me favorecer dando-me filhos, eu lhes protegerei como uma dádiva preciosa do céu, que Deus cobrará um dia de minhas mãos. Terei cuidado de lhes dar uma educação muito cristã, e longe de fazer qualquer frivolidade em suas presenças tratarei de lhes imprimir o respeito que os filhos devem a seus pais.
11. Nenhuma familiaridade com meus domésticos; mas lhes tratarei com clemência, e, dando-lhes bom exemplo, exortando-os á virtude, em lhes reprimir todas as ocasiões criminosas, tratarei de salvar ou de santificar minha casa.
12. Considerarei sempre a mentira como a obra-prima do diabo, e como uma peste na sociedade.  Eu me guardarei de sentir-me culpável. Se Deus pede uma conta rigorosa de cada palavra que é proferida, quanto mais das mentiras.
13. Longe de mim todo ar de grandeza e de altivez; mas serei grave e modesta para todos, honesta, doce, afável, e polida com os grandes e os pequenos.
14. Aceitarei todas as penas e aflições da mão de Deus, unindo-as aos sofrimentos de Jesus Cristo; não comentando isto a não ser a Jesus e a meu confessor.
15. Jamais falarei demasiado em meu proveito, ou daquele que me olha, e se alguém me elogiar eu lhe reportarei a Deus, bem persuadida que todos os bens da natureza e da graça que tenho recebido, mesmo aqueles da fortuna, se me pertencem não vêm senão dEle, e que, no fundo, eu tenho de nascimento o pecado e as más inclinações.
16. Todos os momentos da vida dados para minha salvação eu lhes empregarei segundo as vias de Deus.  Assim, longe de mim os vestidos escandalosos e longos, visitas perniciosas e inúteis.  Terei os divertimentos convenientes á minha idade; nunca terei o gozo das maneiras que me sejam nocivas, mas somente para descansar meu espírito e meu corpo, a fim de lhes deixar mais capazes de servir a Deus com mais ardor. Todo o resto do tempo será reservado às ocupações úteis. Minha piedade não será pouco sociável nem sombria, mas grave e agradável. Eis aí, Jesus Cristo, meu divino Senhor, as resoluções que Vós me destes a graça de me inspirar. Eu Vos ofereço com meu coração. Abençoai e concedei-me os socorros necessários para lhes colocar em prática. Assim seja". [2]







[1]               A Ordem da Cruz Estrelada, instituto religioso leigo no qual ingressou a arquiduquesa Leopoldina sob inspiração da Condessa Lazansky, camareira-mor da quarta esposa do pai dela, Francisco I.
[2]  Texto extraído do livro "A Imperatriz Leopoldina", de Carlos Oberaker

Nenhum comentário: