SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA
São José de Anchieta

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Qual o papel da figura do malandro na preparação psicológica dos chefes do tráfico de drogas?

O quinto poder
Os informes e dados abaixo sobre o Brasil podem ser aplicados a qualquer país moderno, seja europeu, americano, africano ou asiático, pois tudo isso é decorrente da vida moderna. Dir-se-ia que a violência também foi "globalizada". No Brasil, porém, os bandidos chegaram a se organizar de tal forma que podem se considerar como um poder que rivaliza com o Estado. Teríamos já instaurado no Brasil o "quinto poder", pois o Estado possui os três poderes convencionais (Executivo, Legislativo e Judiciário), a mídia é considerada o quarto poder, e agora o banditismo tornou-se o quinto.
De tal forma este "quinto poder" tem crescido que já desafia os outros quatro. Foi o que ocorreu com a morte do jornalista Tim Lopes, da TV Globo, ocorrida no dia 2 de maio de 2002, quando os bandidos o julgaram e o assassinaram como se fossem juízes de um processo qualquer. É diferente do assassinato do cinegrafista da Bandeiras ocorrido há poucos dias, que ocorreu no meio de um confronto entre policiais e bandidos. Depois do desafio da mídia, resolveram os bandidos desafiar o próprio Governo, ora enfrentando a polícia, ora atacando prédios públicos ou mesmo fóruns e delegacias, com o objetivo explícito de intimidar, como ocorreu de forma massiva em São Paulo naquele triste dias das mães.
A partir de março de 2003 o denominado "crime organizado" começou a mandar matar juízes, numa acintosa afronta ao estado de direito do País. E culminou com o último assassinato da juíza em Niterói ocorrido há poços meses, desta feita um crime cometido por policiais corruptos, mas, embora policiais, aliados dos bandidos.
Depois, tornou-se comum darem ordens para que todo o comércio de certos bairros onde dominavam feche as portas. Passou-se a ver os bandidos andando pacificamente pelas ruas fortemente armados, contando com a ausência da polícia. Hoje, numa transmissão de TV em que narrava tais fatos, o repórter (da Record) chama os bandidos de soldados, dizendo “vejam os soldados fortemente armados andando pelas ruas...” É o quinto poder...
Em depoimento prestado à Justiça um dos chefes do crime organizado, José Márcio Felício, "O Geleião", afirma que o PCC (Primeiro Comando da Capital, facção criminosa similar ao "Comando Vermelho") possuía grande estrutura organizacional. Segundo delação feita pelo bandido, seus ex-comparsas tinham cerca de 2.000 “funcionários”, verdadeiro exército em ação. A maioria dessas pessoas trabalhava para a organização fornecendo importantes informações. Desse grupo, cerca de 100 pessoas fazem operações e formam o braço armado do bando. Na última invasão da “Rocinha” a polícia informa contingente numeroso de colaboradores dos bandidos, a maioria entre os próprios moradores do morro. Desta forma eles se arrogam o poder de
mandar que o comércio de determinados bairros feche as portas quando assim o desejarem. Fatos semelhantes já estão também ocorrendo em outras capitais, como Salvador, na Bahia.
A situação era essa nos morros do Alemão, Vila Cruzeiro e da Rocinha antes de serem invadidos pela polícia. A palavra “invadido” dá bem a idéia da situação: trata-se de ocupar um terreno possuído pelo inimigo em guerra. E na “ocupação” foi utilizado até tanques de guerra.
Repetimos aqui a indagação feita em postagem anterior: o crime é organizado ou o governo é desorganizado? Por que o governo de Lula esperou até o final de seu mandato (novembro de 2010) para autorizar a invasão dos morros? Autoridades policiais do Rio afirmaram que não o fizeram antes porque o governo federal não o tinha autorizado, haja vista que as forças invasoras eram também compostas de tropas federais.

Qual o papel da figura do malandro na psicologia popular?

Uma figura que a mídia sempre propagou foi a do malandro. Desde o início do século XX que ela é apresentada como certo “modelo” ao nosso povo. Primeiramente, veio o malandro do samba, do morro, pintado como um cara esperto e ladino, conseguindo levar vida mansa, inclusive enganando aos incautos. Esse modelo de esperteza ganhou a simpatia popular e passou a pautar a vida pública, inclusive de políticos.
Quando se pretendia criar uma música nova sobre o Rio, ou que se referia ao samba ou ao carnaval carioca, a figura do malandro era sempre realçada. Foi assim que o famoso Noel Rosa destacou-se em suas melodias, embora seu título mais conhecido seja o de “Poeta da Vila”. Mas outros compositores sobressaíram-se mais como exemplo de malandros realizados e completos, como Dicrós e Bezerra da Silva, sambistas famosos que criaram até uma música com o título de “ópera do malandro”, que é também o nome de uma peça de Chico Buarque.
A fim de que a figura do malandro fosse mais propagada, a Walt Disney criou um personagem famoso, o Zé Carioca: um papagaio, como não poderia deixar de ser, muito esperto e que sempre sabe se sair bem das enrascadas e dar golpes até em seus amigos. Até a década de 60, havia um outro personagem que também personificava o malandro: foi o famoso “Amigo da Onça”, criação de Péricles Moreira da Rocha na revista “O Cruzeiro”, cuja esperteza era sempre elogiada pelos leitores da revista como exemplo de inteligência e sagacidade. Outros malandros ficaram célebres no passado, alguns criados no cinema, como Oscarito que o personificava muito bem.

Será que a figura do malandro, sendo assim tão propalada como um exemplo para a sociedade, não tornou-se um mal, por inspirar em todos a idéia de que é lícito ser esperto e enganar os semelhantes? Quer dizer, será que essa figura não gerou o político corrupto e o traficante labioso? Não que os tenha produzido na raiz, mas sim que tenha criado clima psicológico na sociedade para que atuem impunemente.

É claro que há um tipo de esperteza legítima, como aquela, por exemplo, da história do Gato de Botas, onde o gato faz seu amo passar por um marquês a fim de se sair bem das complicações em que se metiam. Mas a do malandro carioca sempre tendia para a desonestidade, a sagacidade para enganar o próximo, o esperto que vivia num mundo cercado de pessoas incautas e bobas. Pois bem, essa esperteza do malandro fez escola, muito bem assimilada pelos políticos e traficantes, que a usam naturalmente no seu dia a dia. Esse tipo de esperteza, porém, não é coisa nova. Há exemplos similares no passado.
Temos exemplo dentre os próprios bandidos. Um deles nos é contado pelo historiador francês Henri Robert, ao retratar a vida de um bandido que dominava a Paris do Ancien Regime. O tipo de esperteza dele é muito conhecido: fazia-se passar por um homem bom e amigo dos humildes, auxiliando os mais necessitados dos bairros pobres de Paris. Com isso conseguia proteger-se contra as investidas da polícia, pois era ocultado dela pelos próprios moradores seus vizinhos, que o tinham como um homem bom. Este tipo de esperteza tornou-se hoje o mais usado pelos traficantes, ao lado, sempre, da malandragem, do engodo, etc. Há também a lenda de Robin Hood que tornou mais popularizado esse método de acobertamento de bandidos entre os cidadãos de bem. Quer dizer, não é nenhuma novidade.

Apesar de se anunciar tanto poder dos bandidos, a invasão da Rocinha ocorreu de forma pacífica, não foi desferido nenhum tiro e alguns bandidos se entregaram sem reação. Pelo que se vê a ação militar vai aos poucos causando maior intimidação aos bandidos, o que tornará mais fácil o controle e extinção ou diminuição do tráfico de drogas e da bandidagem.
O problema não é que os bandidos formam o “crime organizado”, mas é o governo que se mostrava desorganizado.



Nenhum comentário: