SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA
São José de Anchieta

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

O BOM JESUS


Várias são as invocações da Bondade divina de Nosso Senhor, todas elas sob a denominação do Bom Jesus, e todas representadas por Ele pregado na Santa Cruz. Por que?  Porque foi desta forma que Nosso Senhor consumou sua Bondade no ponto mais alto, expressão última de suas perfeições divinas. A maldade humana junto com a diabólica tramou de tudo para ocultar sua Bondade: pregou-lhe as mãos e os pés (que tanto bem fizeram aos homens) no madeiro, desfigurou Seu semblante com uma ignóbil e torturante coroa de espinhos, expôs Seu sagrado corpo à nudez e aos açoites.  Mas refulgiu mais ainda Sua infinita Bondade quando deixaram abrir seu peito e mostrar Seu Coração Sagrado, com uma ferida enorme aberta, derramando sobre os homens e toda a Criação uma torrente infinita de graças.
Nos momentos finais de Seu martírio, achou Ele oportunidade para praticar os atos mais representativos de Sua Bondade.  Ao ver-se despido e carregado aos tropeços para ser pregado na Cruz, dirigiu a oração de misericórdia para os seus esbirros, dizendo: “Perdoai-os, pois não sabem o que fazem”. Estava implícito que aqueles que “sabiam o que fazem” não estavam incluídos naquele perdão. Para estes, a Santíssima Trindade previra o primeiro juízo, pois assim tais pessoas ficariam aferradas aos pecados e despojados dos dons da graça. A seguir seguem os outros seis juízos, dos sete que Deus exerce sobre os homens, conforme definição feita por São Boaventura.[1]
Depois, por um gesto magnânimo, entregou Sua Mãe aos cuidados do discípulo que mais amava, São João, dizendo: Mulher eis aí teu filho; filho, eis aí tua Mãe. Nosso Senhor entregava Sua Santa Mãe para que adotasse os homens de bem, os filhos da luz, representados por São João.  Estes, sob a proteção de Maria, ficariam livres do juízo da obcecação, castigo que só seria imposto aos hereges, cismáticos e ímpios, os quais não têm Maria por mãe.
Um dos ladrões, de coração duro como pedra, dizia: “Não és tu o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós”. De quem tinha ele ouvido tal frase? Da turba de fariseus que estavam aos pés das cruzes blasfemando contra Cristo, cujos corações eram tão duros quanto o do mau ladrão. Esta dureza de coração era o castigo por causa de seus pecados, “o terceiro juízo” divino sobre aquele povo.. Quanto ao outro ladrão, inspirado pelo Espírito Santo, rebatia tal dureza com o temor de Deus: “Nem sequer temes a Deus, estando na mesma condenação? Quanto a nós, é de justiça; estamos pagando por nossos atos; mas ele não fez nenhum mal”. E acrescentou: ”Jesus, lembra-te de mim, quando vieres com teu reino”. Ele respondeu: “Em verdade, eu te digo, hoje estarás comigo no paraíso” (Lc 23, 39-43). São Dimas referiu-se ao “teu reino”  no momento da morte, aspirando portando o eterno. Provavelmente ouvira Nosso Senhor dizer a Pilatos: “o meu reino não é deste mundo”. Surgia naquele instante a vocação mais fulminante da História: em breves momentos o homem se converte, se santifica e se salva.
O brado do abandono, “Eli Eli l’ema sabactha’ni”, meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes! É em parte um lamento porque o Corpo e Alma de Cristo, assim como Seu Corpo Místico ali presente ao pé da Cruz, haviam sido abandonados, estavam entregues à própria sorte. Mas, na realidade, trata-se de um salmo de Davi, que se inicia com um lamento e termina como canto de vitória: “Ó meu Deus, olha para mim, por que me desamparaste?”. Provavelmente, Nosso Senhor continuou a rezar o salmo silenciosamente, que termina assim: ”A geração que há de vir será anunciada ao Senhor, e os céus anunciarão sua justiça ao povo que há de nascer, e que o Senhor formou” (Sl 21), quer dizer, “a geração que há de vir” era a Santa Igreja que ali nascia.  Este desamparo não pode ser comparado com o quarto juízo de Deus, o qual expõe o pecador sujeito às tentações e ao pecado porque se apegou a ele, enquanto que o desamparo a Cristo foi apenas o abandono do conforto material e humano. Estavam “ipso facto” entregues ao abandono da graça divina todos os que não pertencessem à Igreja.
Do alto da Cruz, Nosso Senhor lança o brado: tenho sede! Enquanto manifestava Ele ali sua sede de almas, a Santíssima Trindade julgava o povo deicida com o juízo da dissipação, pois haviam recebido os dons para obrar o bem e só obravam o mal, e nele havia morrido aquela sede de almas. A partir daquele momento, nada mais conseguiriam amealhar de quaisquer bens, sejam caducos ou, principalmente, espirituais. O povo deicida, por haver rejeitado a Graça, tornou-se dissipador e nada juntou, estando sujeito aos castigos que lhe vieram com a dispersão pelo mundo, o que se chamou depois de diáspora. A sentença ou juízo foi dada com o Profeta Malaquias:   “Por isso, como não guardaste os meus caminhos, e, quando se tratava de sentenciar, segundo a minha lei, fizestes acepção de pessoas, também eu vos tornarei desprezíveis e vis aos olhos de todos os povos”.  (Mal 2, 9).
Por duas vezes Nosso Senhor Jesus Cristo dirá a frase “Está consumado!”  A primeira foi do alto da Cruz e a segunda será no Juízo Final, conforme consta no Apocalipse: O sétimo anjo derramou a sua taça pelo ar, e saiu uma grande voz do templo (vindo) do trono, que dizia: está feito (Ap. 16, 17).  A Obra divina estava consumada eternamente, a Igreja estava ali nascendo. Judas deve ter caído no juízo da desesperação neste momento, assim como muitos dos judeus deicidas.  Era o sexto juízo de Deus para muitos. Em breve os túmulos iriam abrir-se para os Santos profetas acusá-los de seus pecados
Finalmente, o Salvador lança o brado final: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito”. Com esta entrega, Nosso Senhor conquista por seu próprio mérito o título de Juiz, com que Ele mesmo se proclamava de “Filho do Homem”.  Todo pecador passava a ficar sob seu julgamento no momento da morte, podendo obter d’Ele a condenação ou salvação eterna.  Junto com o Salvador, os Profetas e Santos Patriarcas abriram seus túmulos para exercerem o último julgamento sobre aquele povo. O espectro da morte vem à mente de todos naquele momento, seja através do eclipse, do terremoto ou dos corpos ressurretos. Eram recursos extremos da graça divina para despertar naqueles homens o Temor de Deus. Para aquele que nada disso surtia efeito, caia o juízo da condenação eterna.

“Cristianus alter Christus”
Qual a razão pela qual fizemos aparente digressão a respeito da Bondade de Jesus Cristo, narrando especialmente a forma como confrontava a opinião dominante dos judeus de sem tempo?  É que Nosso Senhor Jesus Cristo é o nosso Modelo máximo de perfeição, é a forma acabada e perfeita da Bondade que devemos seguir para cumprirmos nosso destino aqui na terra. Devemos procurar imitá-Lo em tudo, fazendo d’Ele um exemplo para que possamos como que nos identificarmos com Ele. 
Repetimos apenas antiga fórmula de ascética cristã: “Cristianus alter Christus”, o cristão deve ser um outro Cristo, Isto é, deve procurar imitá-Lo em tudo. Devemos procurar praticar uma bondade que se assemelhe com a dEle, embora saibamos que, como meros homens pecadores, nunca chegaremos a atingir a milionésima parte de sua infinita perfeição.

O doce e santíssimo nome de Jesus
Encerremos com as palavras de São Bernardino de Sena:
“Deram-lhe o nome de Jesus” (Lc 2, 21)
“Ainda que seja inefável o nome santíssimo de Jesus que foi imposto na Circuncisão a Cristo Senhor, Redentor do gênero humano, todavia para não nos calarmos completamente em tão grande solenidade, alguma coisa apresentaremos em louvor e glória de tão grande nome, diante do qual “todo o joelho se dobra nos Céus, na Terra e nos Infernos”  (Fil. 2, 10). Porque tão grande é a consolação da alma que se alegra em Cristo, que a pobreza se torna como riquezas, a aspereza como delícias e a vileza como honras, e pelo Seu nome todos  os suplícios se fazem para ela doces.
“Na verdade, diz-se por causa desse nome: “Saíram da sala do Sinédrio cheios de alegria por terem sido considerados dignos de sofrer vexames por causa do nome de Jesus”  (At 5, 41). Portanto, se mergulha na tua mente o negrume da tristeza, se está iminente uma grave e violenta tempestade, se as costas do mar ribombam com terrível e horroroso mugido, se são batidas as praias do oceano, e se também a nau está invadida pelas ondas, invoca Jesus, que se julga estar a dormir nos navios, mas é um Jesus que nem dorme nem dormita; e com toda a Fé diz-lhe: “Levanta-te, Senhor Jesus!”  (Sl 3, 7).
“Oh nome de Jesus exaltado acima de todo o nome, oh gozo dos Anjos, oh alegria dos justos, oh pavor dos condenados:  em Vós está a esperança de qualquer perdão, em Vós toda a esperança da indulgência, em Vós toda a expectativa de glória. Oh nome dulcíssimo, Vós dais perdão aos pecadores, renovais os costumes, encheis os corações de doçura divina. Oh nome desejável, nome admirável, nome venerável, Vós, nome do Rei Jesus, assim levantais ao mais alto dos céus os espíritos, que todos os que principiam a ter devoção a este nome, graças a Ele encontram a glória e a salvação, por Jesus Cristo Nosso Senhor.  [2]




[1] Ver tópico do Temor de Deus, onde se descreve os sete juízos de Deus sobre o homem, em  “Obras de San Buenaventura – BAC – vol. V – fls. 372/392”.
 [2] Homilia de São Bernardino de Sena sobre o santíssimo nome de Jesus

Nenhum comentário: