SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA E A NATUREZA
São José de Anchieta

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

ORIGENS PRETERNATURAIS DA COMOÇÃO SOCIAL




Que utilidade tem para um telespectador ou leitor de jornal, aqui no Brasil, ficar sabendo que um carro atropelou e matou dez pessoas no interior da Índia; ou que um sujeito estuprou várias mulheres em qualquer parte do mundo; ou que um atirador matou dezenas de pessoas nos Estados Unidos e se suicidou em seguida;  ou, ainda, que crianças estão sofrendo assédios e ataques de pedófilos em várias partes do mundo? Que utilidade há para nós em saber, e ver, um sujeito pular do alto de um prédio rumo à morte? Que utilidade, enfim, teve uma notícia, com a filmagem exposta na TV, onde se vê um preso assassinar outro barbaramente dentro da cadeia? Nenhuma utilidade? Não, há uma utilidade, sim, não para o público, mas para os promotores de uma nova revolução: causar comoção social.
 Comoção é abalo, agitação de ânimo; social, quando ela parte de um ânimo coletivo.  É possível haver um ânimo coletivo? Sim, quando há disposição semelhante entre as pessoas que convivem entre si, no modo de agir coletivamente. Se o ânimo é pacífico produz a paz social, mas se é abalado por comoções promove o contrário: clima de contendas, de rivalidades, etc.
A paz social ocorre quando os ânimos encontram-se em ordem, sem abalos ou agitações, permitindo às multidões um agir coletivo sereno, reto e pacifico, com vistas ao bem comum.
O senso de orientação permite às pessoas e aos povos saber  conduzir-se , inclusive perante a perspectiva do futuro, próximo ou remoto.  A perda desse senso de orientação leva as pessoas a perder  também a paz interior, segurança no agir, até atingir à comoção conjunta com os outros habitantes da mesma localidade.
Quais são os agentes (modernamente falando) dessa comoção social?  Em primeiro lugar está a mídia e os corifeus da Revolução.  Como se sabe, a mídia é composta pelos órgãos de imprensa, rádios, jornais e TVs; quanto aos corifeus da Revolução, estão eles em todas as partes, até na própria mídia, mas em geral são compostos por grupos organizados secretamente nas universidades e outras organizações, dirigidos às vezes por interesses ou grupos internacionais, filosóficos e ideológicos. Tem se destacado ultimamente dentre tais grupos revolucionários os anarquistas, e o mais atuante, o chamado “black bloc”, um movimento que visa destruir toda a estrutura social vigente  e a volta ao tribalismo.
É claro que, antes de tudo, devemos levar em consideração as fontes de onde se originam os fatos, as notícias, que é, além dos protagonistas dos mesmos, a própria policia e a justiça que os leva aos jornais. Entretanto, é preciso notar que o próprio demônio (por ser um anjo regente dos revolucionários, e inteligente como é) procura produzir os fatos que possam gerar comoção social. Isso não é mais feito, como antigamente sempre o foi, pela pura ação das forças secretas, grupos revolucionários ou as pessoas isoladamente. Hoje, podemos dizer que a ação diabólica representa papel preponderante nestas ações. Ele possui, é certo, seus agentes humanos, mas, às vezes,  age também por si mesmo.  Segundo os princípios da “Regência Universal”, o demônio conseguiu os “direitos” de regência sobre seus seguidores, servos ou apenas “alienados” e, ou os impele a agir ou age por eles.  Assim, quando um anjo das trevas possui de fato um atirador para fazer um massacre nos Estados Unidos, como tem acontecido com frequência ultimamente, outros demônios inspiram órgãos da mídia a dar àquele fato o destaque necessário a criar uma comoção em toda a sociedade.
A possessão, vista como a clássica posse dos corpos humanos, já não é tanto visível quanto outrora. No mundo moderno, o que ele põe em uso é um tipo de possessão diferente, onde a regência sobre os maus é feita por efeitos indiretos e não pela imposição da força. Em primeiro lugar, há a regência sobre os homens em estado de pecado, cegando-os, levando-os a agir por impulsos e desregradamente.  Depois vem a fase seguinte, que é a dureza de coração, a qual faz as pessoas ficarem inflexíveis e sem piedade ou cordura perante os semelhantes. Isso não ocorre somente com bandidos, mas até mesmo com pessoas tidas como boas e ordeiras e que praticam certos pecados. Os chamados “atos irrefletidos” dos indivíduos passam a ser feitos conjuntamente, mas já agora sob a regência diabólica. Tendo, pois, a regência sobre indivíduos e grupos sociais, fica fácil aos anjos das trevas levá-los a atingir seus objetivos, dentre os quais está a comoção e, como consequência desta, a desesperança.
Coadjuvando esta ação de regência dos anjos maus (que é direta sobre as pessoas possuídas pelo espírito de revolta e cheias de pecados),  vem a ação da mídia excitando as populações através do realce que dão aos atentados, aos crimes hediondos, as tragédias “inexplicáveis”, cuja repercussão na população é de desânimo, desesperança, etc. Se prestarmos atenção, verificaremos que todo noticiário que envolve tragédias é  feito deixando propositadamente várias dúvidas ou falta de esclarecimento aos ouvintes:  o destaque é dado ao crime insolúvel, ao bandido que ainda não foi preso, ao roubo e tráfico de drogas feitos bem próximos de delegacias ou de viaturas policiais – até mesmo o fato de faltar água nas mangueiras dos bombeiros é chamado a atenção, com o visível intuito de causar a descrença e desconfiança da população na ação dos órgãos policiais.
Isso demonstra que há uma certa regência diabólica para a condução de tais fatos, com o fim de causar desesperança nas populações. Como se viu, não se caracteriza tal regência como uma possessão clássica, mas um domínio coletivo sobre grupos de indivíduos com vistas a um fim específico.
Como ocorre uma comoção social? De modo geral se inicia excitando nas populações uma predisposição ao inconformismo: todo crime bárbaro é apresentado com destaque e se dá a entender que sempre ficam impunes – o que campeia é a impunidade – servindo isso para gerar e incrementar o inconformismo; astutamente a mídia incita a que se peça “justiça”, quando, na realidade, as pessoas estão manifestando o desejo de vingança. Contribui também para incrementar tal inconformismo a ineficácia dos órgãos policiais e da própria justiça, esta última com sua morosidade e real impunidade. Da mesma forma, serve para incrementar tal comoção as manifestações dos inconformados, em geral passeatas e bloqueios de ruas com pneus queimados, às vezes simplesmente protestando contra a violência – coisa inócua e ineficaz para tal fim.  Pois não são manifestações desordenadas, em geral feitas por elementos exaltados que poderia ter como efeito a diminuição da violência urbana; pode até inspirar o aumento da mesma, pois o bloqueio de ruas e estradas já é uma violência em si.
O que é justiça? O que é justiça social? A definição mais básica de justiça diz que é dar a cada um o que lhe é devido ou que lhe é direito, no caso, o mérito ou o castigo.  No entanto, quando o povo é insuflado a “pedir justiça”, muitas vezes se está incrementando o desejo de vingança pura e simplesmente. Ademais, a justiça verdadeira não visa somente o castigo, mas também o perdão.  A  perda desse sentimento de perdão leva as pessoas a desejar até mesmo fazer justiça com as próprias mãos. Assim, a justiça social é a distribuição da mesma a toda sociedade, mas inclui castigo e perdão. As anistias existem pra isso e estão previstas em todos os estatutos legais.
No final, sempre ocorre que essa inconformidade não gera a paz de alma das pessoas, mas uma comoção interior, e, no âmbito geral uma comoção social. Aqui entra o anjo das trevas para, através da comoção social, produzir o espírito de desesperança em todo o corpo social, levando as pessoas a praticar atos irrefletidos de toda natureza, até chegar ao suicídio. Como tem sido comum ultimamente: o assassinato de uma pessoa (ou mais) da própria família (sendo o mais comum da própria esposa) seguido de suicídio do criminoso. Há coisa mais diabólica do que isso? Pois bem: mais diabólico ainda é o destaque do fato que a mídia dá em seguida, não gerando outra coisa senão comoção coletiva, pois esta se constitui no caldo de cultura de outros crimes e suicídios que virão depois.
Vejamos, abaixo, alguns exemplos:
Veladamente nota-se um estímulo às torcidas de futebol insatisfeitas com o fracasso de seus times, as quais são levadas a agir intempestivamente praticando violências inauditas nos estádios e até nas ruas, ocorrendo às vezes crimes de mortes entre elas. No entanto, ninguém censura a mídia quando elogia alguma torcida por ser “fanática” – no caso de futebol o fanatismo é plenamente justificável, embora tenha produzido tantos crimes e violências.  
Mas, os casos mais comuns, que são usados pelos instrumentos de promover comoções sociais são:  crimes de estupros, pedofilias, assassinatos chocantes e brutais, crimes políticos e contra crianças, velhos e mulheres (chegou-se a dar destaque a violências contra índios, e fala-se a toda a hora em assassinatos de negros), os altos impostos dos governos, a questão da droga sem solução, a violência em família (pais contra filhos e filhos contra pais, ou marido contra mulher e vice-versa), altos salários de “marajás”,  propinas, etc. Qualquer notícia dos gêneros acima facilmente movimenta em segundos um batalhão de repórteres e câmaras de TV.  Estas estão sempre presentes em alguns casos com a idéia de ação imediata, dando a impressão à população de que aqueles casos são corriqueiros. Em todas as capitais e principais cidades do Brasil há uma infinidade de programas televisivos dedicados exclusivamente a divulgar cenas de violências. Muitos deles com caro aparato de cobertura, composto até de helicópteros.
O último caso mais clamoroso de comoção social foi o da boate Kiss, de Santa Maria. O clamor por justiça tornou-se até um apelo insano, pois não se fala, em nenhum momento, em perdoar os culpados. De outro lado, quando os inconformados comemoram a data do evento, ou quando fazem alguma manifestação sobre o mesmo, fazem apenas “um minuto de barulho”, dando a entender que são pessoas desregradas e descontroladas, sem saber o que fazer para de alguma forma reparar a dor que sofre as famílias das vítimas. E por que não, um minuto de oração?  É disso que mais precisam as almas dos falecidos naquele trágico evento... Falamos de um caso clamoroso, que chamou a atenção de todo o Brasil; mas, casos semelhantes, embora de menor gravidade, ocorrem diariamente em nossas grandes cidades, ocupando a maior parte do noticiário de jornais, rádios e TVs.
Um caso característico ocorreu na Bahia: num acidente de trânsito uma médica atropela e mata dois ocupantes de uma motocicleta, motivando uma verdadeira celeuma provocada pela mídia, o que chamam de “clamor popular”, fazendo com que a justiça tenha decretado a prisão imediata da motorista do automóvel, embora a mesma estivesse ainda hospitalizada. É claro que tal clamor foi artificial e provocado pelos meios de comunicação, levando e trazendo notícias superficiais, sem comprovação do que de fato ocorreu, baseando-se em depoimentos fugazes de um ou de outro lado. Se a lei diz que quem é réu primário, com endereço certo, sem perigo para a sociedade, pode responder pelo processo em liberdade, isso não vale para o caso do “clamor popular”, verdadeira comoção social promovida pelos agentes desta revolução psicológica. Ainda propagam que apenas com a prisão da médica as famílias das vítimas alcançariam sossego em seus corações: o que é falso, pois a paz interior se alcança muito mais com o perdão do que com a vingança através de uma justiça  falha e cheia de erros.
Um outro caso provocou comoção muito maior em São Paulo: trata-se do fato de um policial haver disparado sua arma e matado um inocente. Casos como esse ocorrem com muita frequência, provocando sempre grande comoção social por causa do destaque dado pela mídia, em geral em detrimento da ação policial e da moral da própria segurança pública, cheia de falhas e mal conduzida. O policial em questão diz, em sua defesa, que a arma disparou acidentalmente. Ninguém pode contestar tal versão, pois não havia nenhum motivo para que o mesmo atirasse no jovem. Nesse caso, é claro que houve uma intervenção nitidamente preternatural, pois como é que acidentalmente uma arma dispara e a bala é deflagrada exatamente na direção do peito da vítima, ocasionando sua morte? Para que o policial tivesse dado  tal tiro propositadamente seria necessário que o mesmo estivesse fora de si, talvez possuído por algum espírito maligno – e nesse caso valeria aqui a tese da ação diabólica com o fim de causar comoção social. Poderia ter sido um tiro no ombro ou em qualquer outra parte menos mortal do corpo, mas, não – para os interesses diabólicos de provocar a comoção social era necessário que: 1º , o tiro fosse disparado por um policial a serviço; 2º, a vítima fosse um jovem trabalhador e livre de quaisquer ligações com o crime; 3º , que provocasse sua morte – estes são os elementos essenciais para provocar uma grande comoção social, como de fato houve. Não se trata aqui somente da prática de uma injusta, que poderia gerar clamores, mas de um crime brutal e sem explicações naturais. É ou não é algo diabólico isso? Em seguida organizam-se vários protestos, em geral feitos por moradores da rua e vizinhos da vítima, foi cedido até uma linha de ônibus para o transporte de pessoas; no meio de tais protestos, cheios de comoção e de ódio, as manifestações de vandalismos de grupos anarquistas que se aproveitam de tudo para praticar suas ações de guerrilha urbana.  
O caso mais clamoroso de comoção social produzida pela mídia foi o ocorrido em Ruanda, quando uma etnia entrou em luta contra outra e perpetrou um genocídio.  Depois ficou se sabendo que tudo foi promovido por um canal de TV e uma emissora de rádio. Os culpados foram julgados e condenados, pois tudo foi apurado por organizações internacionais. Os  fatos, embora cheios de lances romanescos do cinema, estão retratados no filme “Hotel Ruanda” e podem ocorrer a qualquer hora também no Brasil, não por etnias, mas por grupos organizados. No caso de Ruanda foram mortas mais de 800 mil pessoas, por motivos torpes e étnicos.  Os casos esparsos, de menor gravidade, que ocorrem em vários países (como o Brasil e Estados Unidos) parece indicar que é um mero treinamento para um grande e trágico lance de comoção geral que a mídia está preparando em todas as nações. E, como visto, contando com a ação diabólica que lhes fornece diariamente a matéria prima que são os crimes hediondos que causam comoções sociais.
Veja postagem sobre o  genocídio de Ruanda:

A Rádio e Televisão Livre de Mil Colinas (RTLM), através de seu proprietário, Ferdinand Nahimana, e o jornal “Kangura”, por intermédio também de seu dono, Hassan Ngeze, extremista hutu, fizeram diversas reportagens conclamando os hutus à vingança. Um outro que foi responsabilizado diretamente pelo genocídio, conforme julgamento feito na própria ONU, foi o jornalista Jean-Bosco Barayagwiza, co-proprietário da RTLM. As transmissões da TV eram feitas sob toques marciais de tambores para incitar o ódio dos hutus contra os tutsis. Os jornalistas, em suas reportagens, exortavam abertamente a população ao massacre.
Um ex-repórter da RTLM, Georges Ruggin, declarou que a emissora recebia informações de milicianos hutus sobre operações que pretendiam desencadear e emitia boletins radiofônicos que ajudavam a localizar e capturar as vítimas, a grande maioria civis, e até mesmo padres e freiras. (dados tirados da “Folha de São Paulo”, 04.12.2003, A-13)

Nenhum comentário: